A personalidade. É isso que algumas pessoas que acompanharam e ainda seguem o desenvolvimento de Gabriel Menino no futebol destacam como fundamental para o sucesso do meio-campista do Palmeiras, convocado na última sexta-feira pela primeira vez para a seleção brasileira de Tite.

É claro que a técnica e a versatilidade do jogador são características bem presentes no futebol de Gabriel, nascido em Morungaba, no interior de São Paulo, e hoje é titular e homem de confiança de Vanderlei Luxemburgo no Verdão.

Mas o enredo quando a carreira ainda era um sonho distante é de dificuldade e superação.

Em Itatiba, outra cidade do interior paulista, o palmeirense fez parte de uma escolinha de futebol chamada Lance. O problema é que a dificuldade financeira da família com o transporte até o local o fez abrir mão do projeto. A sequência no Guarani, anos depois, também só foi permitida graças a um colega de time que dava carona nos dias de treinamento.

Gabriel Menino assinou em março contrato válido até o fim de 2024 — Foto: Divulgação

Depois de passar nos testes – popularmente conhecidos no mundo do futebol como peneira -, ele iniciou no clube como zagueiro. A tal da personalidade e da confiança, porém, fizeram Gabriel Menino ser deslocado para o meio, setor onde ganhou mais espaço para brilhar.

E foi disputando as competições pelo Bugre que começou a chamar atenção dos times da capital.

O Palmeiras tentou duas vezes a contratação de Menino. Somente na segunda tentativa, depois de um ano da primeira investida, que os dirigentes do Verdão convenceram o pai do jogador, também disputado pelo Corinthians na época.

Zagueiro que virou meio-campista, Gabriel Menino chamou a atenção dos palmeirenses justamente quando enfrentou o time alviverde como lateral. Com 15 anos, ele já atuava pelo sub-17.

– Sempre foi um moleque forte e corajoso. Ele não tem medo de ser feliz –disse João Paulo Sampaio, coordenador do Verdão.

Gabriel Menino com a seleção brasileira no Sul-Americano Sub-20 — Foto: EFE/Esteban Garay

No Palmeiras, o atleta sempre atuou como meio-campista e passou a ter a rotina de disputas importantes e viagens internacionais. A história até chegar ao profissional também foi marcada por uma dificuldade inesperada, logo quando estava vestindo a camisa da seleção brasileira sub-20.

Em 2018, durante uma competição amistosa disputada no México, Gabriel Menino foi flagrado no exame antidoping. Ele foi punido e afastado até dos treinamentos no Verdão por 45 dias, mas o clube e a CBF conseguiram provar a inocência do atleta, contaminado por causa da alimentação.

No início de 2019, ele participou do Sul-Americano Sub-20 com a Seleção. No restante da temporada, conquistou títulos com o sub-20 palmeirense.

– Percebo evolução muito rápida no Gabriel. Você via um touro, que corria para todo lado. Não tinha noção ainda dos espaços a serem ocupados de forma estratégica. Ele foi evoluindo com o trabalho de Arthur (Itiro, técnico do sub-17), do Wesley (Carvalho, técnico do sub-20). Chegou ao Sub-20 melhor, mas via ele correr de forma aleatória. Ele demonstra crescimento ainda maior no Palmeiras, uma maturidade que ainda não tinha – disse Carlos Amadeu, técnico da seleção brasileira sub-20 em 2019.

Gabriel Menino com a seleção brasileira sub-20, em 2019 — Foto: Lucas Figueiredo / CBF

Avaliado como aposta para o futuro palmeirense, Gabriel Menino virou realidade no elenco profissional em janeiro de 2020, com a chegada de Vanderlei Luxemburgo. Ele começou o ano como opção para o meio de campo, mas agradou logo de cara e teve oportunidade como titular já no segundo jogo do ano, ainda nos Estados Unidos, no Torneio da Flórida.

A qualidade para sair jogando sempre despertou interesse da comissão técnica. A confiança para tentar uma jogada mesmo no campo de defesa também foi motivo de atenção.

A velocidade e batida na bola, somadas ao histórico na base, fez Luxa apostar em Gabriel Menino como lateral-direito na primeira parte do Campeonato Paulista, quando o Verdão perdeu Marcos Rocha e Mayke por motivos de lesão.

A estreia de Gabriel Menino no profissional do Palmeiras, contra o Atletico Nacional — Foto: Cesar Greco / Ag. Palmeiras

Não só agradou como os palmeirenses viram possibilidade de futuro e de sucesso, até na seleção brasileira. Essa era a avaliação da comissão de Luxa antes mesmo da chance dada por Tite, com quem o Verdão voltou a ter diálogo, algo que não ocorria nos tempos de Luiz Felipe Scolari.

Na retomada dos campeonatos, em julho, Gabriel Menino e Patrick de Paula ganharam sequência no time titular e hoje são fundamentais para o esquema tático palmeirense.

Por isso que as aparições de Gabriel pela lateral não tiveram sequência e viraram variações por necessidade durante algumas partidas. O aperfeiçoamento faz parte da rotina do jovem de 19 anos, que tem como hábito assistir e avaliar o próprio desempenho após as partidas.

Mas a convivência com Vanderlei Luxemburgo é motivo de satisfação e aprendizado até agora.

– Tenho de agradecer muito ao professor. Ele que olhou mais para a base, me deu oportunidade de jogar como lateral, como ponta, como volante… Ele me deu oportunidade de mostrar meu futebol para o Brasil e para o mundo. Só tenho a agradecer por ter me ajudado, por ter conquistado meu primeiro título como profissional e ajudado a ter minha primeira convocação para a seleção brasileira – disse o jogador, em coletiva na última sexta-feira.

Gabriel Menino com a taça da Copa do Brasil Sub-20, em 2018 — Foto: Fabio Menotti / Ag. Palmeiras

Comentários