Como o título diz, o filme fala da passagem em que as fábricas Ford e Ferrari se enfrentaram. O confronto, no caso, não foi no mercado, já que essas duas marcas sempre atuaram em segmentos diferentes, mas sim nas pistas de corrida.

A narrativa se passa precisamente em 1966, ano em que a Ford estabeleceu como meta encerrar o domínio da Ferrari na 24 Horas de Le Mans, a mais antiga e tradicional competição de automobilismo, prova que a Ferrari mantinha uma sequência de seis vitórias consecutivas: 60, 61, 62, 63, 64 e 65.

A história é conhecida e, no filme, ela é contada de forma bastante fiel, embora o roteiro não perca as oportunidades de envolver os expectadores com cenas do bem contra o mal e situações sentimentais.

O filme é dirigido pelo americano James Mangold e tem como protagonistas principais os premiados Matt Damon, no papel do corredor e construtor americano Carroll Shelby, e Christian Bale, que vive o piloto inglês Ken Miles.

“Mais do que carros incríveis e velocidade, acho que esse é um filme sobre a família, sobrevivência, e sobre como as pessoas precisam aprender a confiar em seus amigos com sua vida se quiserem transcender”, afirmou.

Não dá para saber qual parcela do público sairá do cinema com reflexões como as que pretende o diretor, mas, entre os que gostam de carros e de corridas, muitos sairão como se tivessem presenciado a prova de Le Mans de 1966, seja torcendo ou, no caso dos mais empolgados, se sentindo o próprio Ken Miles.

Mas o diretor poderia ter mostrando também as freadas, tão importantes quanto as acelerações para um traçado eficiente. Não se vê um punta-taco sequer. Quando fala dos freios, o diretor prefere mostrar os discos incandescentes.

Leia também  Outono traz temperaturas mais amenas para a região central do Brasil

Os aficionados também terão prazer em acompanhar o desenvolvimento do carro em um tempo em que não havia tanta tecnologia, como telemetria e túneis de vento, e pilotos com conhecimento e sensibilidade eram colaboradores de vital importância para os engenheiros.

Tanto quanto Grand Prix (1966), que fala da Fórmula 1 dos anos de 1960; 24 Horas de Le Mans (1971), com Steve McQueem; Rush (2013), sobre a rivalidade entre dos pilotos da F-1, James Hunt e Niki Lauda, nos anos 70; 500 Milhas de Indianápolis (1969), com Paul Newman, e Dias de Trovão (199), sobre a Nascar, com Ton Cruise , entre outros.

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

close

🤞 Não perca nada!

Assine nossa newsletter e receba novidades e ofertas exclusivas!

Comentários

Você não precisa sofrer pra fazer dieta.

Conheça o Desafio 19 dias!