Organização de proteção de dados alertou que ferramenta invade a privacidade do usuário | Foto: Conger Design / Pixabay / Divugalção / CP

As autoridades norueguesas anunciaram nesta segunda-feira a suspensão de seu aplicativo de rastreamento de Covid-19, após um alerta do organismo internacional de proteção de dados, Datatilsyn, que considera que a ferramenta invade a privacidade do usuário. Lançado em abril no país nórdico, o aplicativo Smittestopp, projetado localmente, é usado para coletar dados que podem ajudar as autoridades a analisar a propagação do coronavírus e informar os usuários sobre um possível contato com um portador do vírus.

“Não concordamos com a avaliação do Datatilsyn, mas nos vemos forçados a excluir todos os dados e suspender nosso trabalho devido à advertência”, lamentou a diretora do Instituto de Saúde Pública, Camilla Stoltenberg, em comunicado.

Em uma carta na sexta-feira, Datatilsyn emitiu um aviso de “proibição temporária”, deixando o instituto incapaz de processar os dados pessoais coletados graças a Smittestopp. A agência indicou que, dada a expansão limitada da epidemia na Noruega, bem como a eficácia limitada do aplicativo devido ao baixo número de pessoas que realmente o utilizam, a invasão de privacidade resultante de seu uso era desproporcional.

O aplicativo começou lentamente, com apenas 600 mil usuários ativos em um país de cerca de 5,4 milhões de habitantes, e a função de informar a quem o utiliza sobre a exposição ao vírus, testada em três municípios, colide com um número muito baixo de novos casos.

Ao suspender o Smittestopp, “estamos enfraquecendo um aspecto importante do nosso dispositivo contra uma crescente propagação da epidemia, pois perdemos tempo desenvolvendo e testando o aplicativo”, acrescentou Stoltenberg.

“Ao mesmo tempo, nossa capacidade de combater a epidemia atual é reduzida. A pandemia não acabou”, alertou. O Smittestopp, disponível para download de forma voluntária, usa armazenamento de dados centralizado e conta com a tecnologia Bluetooth e geolocalização.

Comentários