onde assistir, horário, escalações e arbitragem

Palmeiras e Tigres (MEX) fazem amanhã, às 15h (de Brasília), no estádio Education City, uma das semifinais do Mundial de Clubes. A equipe que avançar aguarda o vencedor de Al-Ahly (EGI) e Bayern de Munique (ALE), que se enfrentam na segunda (8). A decisão do torneio está marcada para quinta-feira (11), mesma data do duelo entre terceiro e quarto colocados.

Onde assistir

A partida será transmitida pelo Globo e pelo Sportv. O Placar UOL fará o relato em tempo real.

Estádio e horário

Estádio Education City, em Doha, no Qatar, às 15h (de Brasília).

Prováveis escalações

PALMEIRAS: Weverton; Marcos Rocha, Luan, Gustavo Gómez e Viña; Danilo, Zé Rafael, Gabriel Menino e Raphael Veiga; Rony e Luiz Adriano. Técnico: Abel Ferreira

TIGRES (MEX): Guzmán; Rodríguez, Reyes, Meza e Salcedo; Dueñas, Rafael Carioca, Pizarro, Quiñones e Aquino; Gignac. Técnico: Tuca Ferretti

Desfalques

Dos jogadores que agora estão inscritos, o Palmeiras tem todos à disposição — Gabriel Veron foi cortado ontem (5), por conta de uma lesão na coxa esquerda. No Tigres, Aquino saiu do jogo contra o Ulsan (COR) por conta de um traumatismo craniano, mas ele voltou a trabalhar com o grupo. Deve ter condições de atuar, portanto.

Arbitragem

Árbitro: Danny Makkelie (Holanda)Árbitro Assistente 1: Mario Diks (Holanda)Árbitro Assistente 2: Hessel Steegstra (Holanda)Quarto Árbitro: Maguette Ndiaye (Senegal)VAR: Kevin Blom (Holanda)

Últimos resultados

O Palmeiras entrou no Mundial direto na semifinal, depois de vencer a Copa Libertadores na semana passada. Desde então, fez apenas uma partida contra o Botafogo, no Brasileiro — os reservas ficaram no empate em 1 a 1, no Allianz Parque. Já o Tigres precisou passar pelo Ulsan, da Coreia do Sul, nas quartas de final. O time mexicano venceu de virada, por 2 a 1 — o atacante francês Gignac, de 35 anos de idade, fez os dois gols.

Leia também  Fluminense aproveita duelos com times da parte de baixo e se prepara para sequência complicada

“Vamos caçar com gato”

O famoso ditado foi usado pelo técnico Abel Ferreira para retratar a dificuldade do Palmeiras com seus jogadores de velocidade. O time perdeu Gabriel Verón por causa de uma lesão na coxa, tornando-se a terceira baixa entre os jogadores que atuam pelo lado -Breno Lopes não foi inscrito, e Wesley se recupera de cirurgia no joelho. “O Wesley se machucou quando eu cheguei, e quando olhamos para o banco, sem o Breno, nos falta quem acelere o jogo, que vocês chamam de pontas. Mas se não temos cão, vamos caçar com gato”.

Gignac é o cara

O centroavante Gignac será o grande desafio para o time do Palmeiras, segundo o colunista do UOL Esporte Mauro Cezar Pereira. Para ele, o jogador francês, autor dos dois gols da vitória de virada do Tigres sobre o sul-coreano Ulsan, na quinta-feira (4), é quem vai dar trabalho para os zagueiros do time de Abel Ferreira. “É um centroavante com recursos, forte, com muita presença de área. Fez um gol de pênalti e outro típico de centroavante na virada do Tigres sobre a equipe sul-coreana”, afirma o comentarista.

O título de 1951 é válido?

O Palmeiras tenta validar junto à Fifa um título mundial. A conquista da Copa Rio, em 1951, é equivalente ao Mundial de Clubes atual, segundo as alegações do clube alviverde. Para isso, os jornais da época que retratavam o torneio como um Campeonato Mundial têm sido usados em um dossiê de 123 páginas para que o Palmeiras seja declarado como o primeiro campeão mundial de clubes. Na ocasião, o jogo decisivo terminou com um empate por 2 a 2 entre Palmeiras e Juventus, da Itália, no Maracanã.

Leia também  'Troféu Domingão - Melhores do Ano': os vencedores de 2019!

Na luta contra os secadores

Em pouco tempo no Brasil, Abel Ferreira já aprendeu uma expressão comum entre os torcedores: os secadores. O treinador do Palmeiras, porém, afirmou que não liga para essa modalidade e disse, em entrevista coletiva que se importa com a produção de sua própria equipe. Há uma expressão que se usa no Brasil e eu não conhecia: há secadores para todo lado. Temos de nos lembrar o que nos trouxe até aqui e fazer o futebol coletivo, usar nossa forma de jogar, de defender e atacar. Depois, sabemos que com todo mundo há torcedores e secadores e temos de encarar da mesma maneira.”