Sob uma chuva intensa na tarde desta quarta-feira (11), o Palmeiras venceu o Ceará por 3 a 0, no Allianz Parque, e garantiu uma confortável vantagem no duelo de ida pelas quartas de final da Copa do Brasil.

Gustavo Scarpa, Raphael Veiga e Gabriel Veron marcaram os gols que permitem ao time alviverde perder por até dois de diferença no confronto de volta, na próxima quarta (18), às 19h, em Fortaleza, e ainda assim garantir a classificação à semifinal do torneio. O clube cearense precisa de quatro gols a mais do que o paulista para ficar com a vaga –se fizer três, a decisão será nos pênaltis.

Mesmo com oito desfalques entre titulares machucados e convocados para jogos das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2022 –Weverton, Gabriel Menino, Luan, Gustavo Gómez, Viña, Felipe Melo, Wesley e Luiz Adriano–, o técnico Abel Ferreira, em seu terceiro jogo à frente da equipe, mostrou que já tem um bom conhecimento sobre o elenco alviverde.

O português manteve a postura ofensiva que a equipe teve nos últimos jogos, quando engatou sequência de seis vitórias consecutivas, para garantir o sétimo triunfo da série positiva. Com linhas avançadas, empurrando o adversário para seu campo de defesa, só os palmeirenses conseguiam atacar. Faltava, porém, mais efetividade no início do primeiro tempo.

A pedido do treinador, o Palmeiras passou a explorar mais o lado esquerdo, por onde transitavam Willian, Gabriel Veron e Gustavo Scarpa, este último improvisado como lateral. A ordem de Abel fez diferença.

Foi por ali que time alviverde conseguiu construir uma vantagem de três gols ainda na etapa inicial, em um intervalo de apenas cinco minutos, nos quais os visitantes mal conseguiam ter a posse de bola.

Primeiro, Scarpa, com um chute cruzado, abriu o placar aos 34. Depois, foi a vez de Veiga ampliar aos 37, após cruzamento de Veron, que também marcou o seu, aos 39, com uma finalização colocada, que surpreendeu o goleiro Fernando Prass, ídolo e ex-atleta do time alviverde.

O placar elástico não refletia apenas o ímpeto ofensivo da equipe. Na defesa, algumas peças também tiveram destaque, como o jovem volante Danilo, 19, escolhido para substituir Felipe Melo, machucado. O garoto teve atuação segura e ajudou a anular as principais tentativas do Ceará.

Na volta do intervalo, o técnico Guto Ferreira mudou quatro peças de seu ataque. Mas nem assim conseguiu furar a defesa palmeirense e diminuir a diferença de três gols.

Perto do fim, aos 36 minutos da segunda etapa, o árbitro chegou a marcar um pênalti a favor dos visitantes, após lance entre o palmeirense Renan e Leandro Carvalho, do Ceará. Após checar o VAR (árbitro de vídeo), o juiz voltou atrás na marcação. Antes mesmo de assinalar a mudança, expulsou, por reclamação, o técnico Abel Ferreira, do Palmeiras.

Confortável com a vantagem, a equipe alviverde rodava a bola com paciência à espera de oportunidades para ampliar o marcador. E chegou a ter uma chance clara, nos pés de Willian, mas ele a desperdiçou, mesmo livre na pequena área.

O Palmeiras volta a campo no sábado (14), às 21h30, para enfrentar o Fluminense pelo Brasileiro. O Ceará, por sua vez, encara o Grêmio, no mesmo dia, às 19h, em Porto Alegre.

Você já conhece as vantagens de ser assinante da Folha? Além de ter acesso a reportagens e colunas, você conta com newsletters exclusivas (conheça aqui). Também pode baixar nosso aplicativo gratuito na Apple Store ou na Google Play para receber alertas das principais notícias do dia. A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade. Obrigado!

Mais de 180 reportagens e análises publicadas a cada dia. Um time com mais de 120 colunistas. Um jornalismo profissional que fiscaliza o poder público, veicula notícias proveitosas e inspiradoras, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

Copyright Folha de S.Paulo. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.

Comentários