06/03/2020 | 15h37&nbsp&nbsp&nbsp

Uma tragédia e uma revolução estão entre as motivações; movimento feminista é centenário mas data foi definida na década de 1970 pela Organização das Nações Unidas

Mulheres fazem comício Pró-Diretas, São Paulo, SP, 16/4/1984. Foto: Claudinê Petroli/ Estadão Outras notícias06/07/2015 | 06h00HPV aumenta incidência de câncer de boca e garganta entre jovens26/05/2015 | 06h00Conheça os riscos de contrair trombose com uso de anticoncepcional 27/11/2014 | 09h00Como os melhores tatuadores do Brasil aprenderam a tatuar16/10/2015 | 08h09O que acontece se eu cortar o açúcar da dieta?27/02/2015 | 09h42Suplementação de vitaminas: quem deve tomar e quando15/05/2015 | 06h00A importância da prática de esportes na infância; entenda❮❯ O Dia Internacional da Mulher foi oficialmente criado pela ONU (Organização das Nações Unidas) em 1977. No entanto, o dia 08 de março já era utilizado por movimentos femininos como uma data para celebrar a luta pelos direitos das mulheres desde o início do século 20. Vários eventos influenciaram a criação da data, dois entre eles são lembrados como determinantes para sua oficialização. O primeiro – o incêndio na fábrica de roupas Triangle Shirtwaist, em Nova York, em 1911- foi uma tragédia que levou às capas dos jornais as terríveis condições de trabalho à que as mulheres era submetidas. O segundo  – um marco da História Contemporânea, a marcha das mulheres russa por pão e paz em 1917- iniciou uma revolução de efeitos globais que reverberam até hoje.    

Trecho do telegrama publicado no Estadão de 28/3/1911.   Foto: Acervo/Estadão

A tragédia. Em 25 de março de 1911 um incêndio atingiu a fábrica de roupas Triangle Shirtwaist, nos Estados Unidos. Foi  o mais mortal acidente industrial da cidade de Nova York, matou 146 pessoas; 23 homens e 123 mulheres. Quem estava no prédio teve pouca chance contra o fogo, pois as saídas estavam trancadas. A prática de fechar as portas das oficinas, para impedir a saída para pausas durante o turno, era uma das ações arbitrárias contra as trabalhadoras. O noticiário também revelou as péssimas condições de trabalho das vítimas. Cargas horárias extenuantes, que podiam chegar a mais de 16 horas diárias, salários incrivelmente baixos e locais insalubres eram alguns dos fatos da dura realidade vivida pelas operárias.   

Reportagem sobre o incêndio ocorrido em 25/3/1911.  Foto: Reprodução/ The Illustrated london News

Desde o final do século 19, organizações socialistas e sufragistas feministas defendiam a criação de um data para lembrar a luta das mulheres por direitos. A marxista alemã Clara Zetkin é lembrada como principal idealizadoras da proposta. Em 1910, durante a Conferência Internacional das Mulheres Socialistas, Zetkin defendeu a criação de uma mobilização anual. A revolta diante da tragédia na tecelagem Triangle se transformou numa bandeira por melhores condições de trabalho para as mulheres e acabou arregimentando mais ativistas para as diferentes causas femininas defendidas no Dia Internacional da Mulher.

73 imagens Dia Internacional da Mulher1 | 73 A atriz Leila Diniz e eleco da  peça teatral As Garotas da Banda recebem homenagens, no Clubinho, São Paulo, 29/4/1971.Foto: Sergio Arak/ Estadão 2 | 73 Mulher ergue uma flor em meio a multidão que se dirigia para comício das Diretas -Já   realizado na zona central da capital e que reuniu mais de 1 milhão de pessoas,  São Paulo, 16/4/1984. Foto: Alfredo Rizzutti/ Estadão 3 | 73 Policiais prendem sufragista durante protesto pelo direito feminino ao voto, Inglaterra, 1913.Foto: The Graphic/ Reprodução 4 | 73 Mulher veste as primeiras calças femininas, as ‘jupes- culottes’ ou ‘saias-calção, em passeio pela Avenida Central no Rio de Janeiro, 1911. Mulheres que se atreviam a desfilar a polêmica peça de roupa pelas ruas corriam o risco de serem perseguidas e hostilizadas. Saiba mais, leia Mulheres de calça chocaram no início no século 20.Foto: Revista Careta/ Reprodução 5 | 73 Manifestação pelo direito ao voto reuniu milhares de mulheres nas ruas de Londres em 14/6/1913. Manifestantes levam um estandarte com os dizeres “Give me liberty or give me death” (“Me dê liberdade ou me dê a morte”). Foto: The Graphic/ Reprodução 6 | 73 Mulheres trabalham na indústria automobilística de São Paulo, 01/02/1964.Foto: Acervo/ Estadão 7 | 73 Anésia Pinheiro Machado em 17/3/1982. Ela foi a primeira mulher a se habilitar e trabalhar como aviadora no Brasil. Em 1921, ela iniciou seus estudos, e no ano seguinte recebeu seu brevet internacional pelo Aéreo Clube do Brasil. Ainda neste ano, Anésia participou de uma apresentação de acrobacias aéreas e foi condecorada pelo aviador Santos Dumont. A aviadora recebeu dezenas de condecorações civis e militares, nacionais e estrangeiras.Foto: Acervo/ Estadão 8 | 73 A ministra da Indústria e Comércio, Dorothea Werneck, ao lado de Alencar Burti, da Fenabrave e de Vicentinho, durante reunião com empresários do setor automotivo e sindicalistas, em São Paulo, 15/04/1992. Foi também ministra do Trabalho entre 1989 e 1990. Foto: Mónica Zaratini/ Estadão 9 | 73 Ruth Escobar chega à Auditoria da Justiça Militar em 24 de abril de 1986 para ouvir a sentença que a condenava a seis meses de prisão por críticas ao regime militar e dá uma flor a um sentinela. Então deputada estadual pelo PMDB, ela recorreu em liberdade. Foto: Sidney Corralo/Estadão 10 | 73  A jornalista, atriz e apresentadora de televisão, Marília Gabriela, comanda debate entre políticos, em emissora da capital paulista, em 1989, durante a campanha eleitoral das primeiras eleições diretas após a redemocratização do País. Foto: Edu Garcia/ Estadão 11 | 73 Trabalhadora limpa lama da roda de um trator. Mulheres tomaram conta da produção agrícola na Europa, durante a Segunda Guerra Mundial, 1940. Foto: Rotogravura/ Estadão 12 | 73 Cássia Eller, durante show no Aeroanta, no bairro de Pinheiros, zona sul da cidade, São Paulo, SP. 02/6/1990. Foto: César Diniz/ Estadão 13 | 73 A professora e educadora Esther de Figueiredo Ferraz se reune como então ministro da Educação, Jarbas Passarinho, em Brasília- DF,  01/4/1972.  Esther de Figueiredi Ferraz foi a primeira mulher ministra de Estado no Brasil, ocupo a pasta da Educação de 1982 até 1985.Foto: Acervo/ Estadão 14 | 73 A atleta brasileira Wanda dos Santos salta, durante prova de atletismo em São Paulo, SP, 02/5/1961. Foto: Acervo/Estadão 15 | 73 A cantora Elizeth Cardoso é aplaudida pela platéia, que lotou o Teatro Municipal de São Paulo, SP. 23/10/1964. Foto: Acervo/Estadão 16 | 73 Operária trabalha no fabricação de armas. Mulheres foram a força produtiva das fábricas durante o esforço da Segunda Guerra Mundial, 1940.Foto: Rotogravura/ Estadão 17 | 73 Jovens do Women Auxiliar Corps, unidade do exército britânico, desatolam veículo militar. Segunda Guerra Mundial, 1940.Foto: Rotogravura/ Estadão 18 | 73 Mulher operando trator em plantação no Estado de São Paulo, 1960.Foto: Acervo/ Estadão 19 | 73 A cantora Inezita Barroso  fez um importante trabalho etnográfico, em 1956 viajou pelo país em um jipe, recolhendo registros musicais e manifestações populares, tal como fez o escritor Mario de Andrade na década de 1930.Foto: Acervo/ Estadão 20 | 73 Mulher curte show de Tim Maia, no Parque do Carmo, zona lesta da cidade de São Paulo, 25/9/1988.Foto: Ana Carolina Fernandes/ Estadão 21 | 73 Meninas enfrentam o trânsito pesado e a poeira da estrada para ir à escola no bairro do Jardim Nove de Julho, zona leste da capital paulista, São Paulo, SP. 20/10/1972. Foto: Acervo/ Estadão 22 | 73 Estudantes paulistas, 1970.Foto: Acervo/ Estadão 23 | 73 Mulheres participando da sessão da Constituinte na Câmara dos Deputados em Brasília, 21/3/1988.Foto: Alencar Monteiro/Estadão 24 | 73  A cantora Fafá de Belém participa do comício no ABC pela Campanha Diretas Já, São Paulo, SP.16/04/1984.Foto: Clóvis Cranchi/ Estadão 25 | 73 Olivia Tavares (2ª dir.), mãe do jornalista Fl?vio Tavares, que foi preso e banido do país, passando por um período de exílio, é vista unida com outras mulheres do Movimento Feminista Gaúcho pela Anistia, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, 14/12/1977. Foto: Antônio Vargas/ Estadão 26 | 73 A deputada Luiza Erundina é cercada e arrastada por policiais militares durante açãoo de reintegração  de posse de terreno no Jardim Aurora, na região de Guaianazes, zona leste de São Paulo, 01/10/1987.Foto: César Diniz/ Estadão 27 | 73 A professora e economista Maria da Conceiçãoo Tavares vista durante o simpósio “Brasil Século XXI”, na capital paulista,  02/8/1988. Foto: Waldemar Padovani/ Estadão 28 | 73 A cantora Elis Regina durante show em São Paulo, SP, 23/5/1966.Foto: Acervo/Estadão 29 | 73 Mulheres cantam palavras de ordem e exigem o cumprimento da lei de licença maternidade nas escadarias do Prédio da Gazeta, Avenida Paulista, São Paulo, 15/11/1988.Foto: José Bassit/ Estadão 30 | 73 Manifestantes cobram maior participação da mulher na política nacional, durante o 3º Encontro de Mulheres Latino Americano e do Caribe, em Bertioga, São Paulo, 01/8/1985.Foto: Alberto Marques/ Estadão 31 | 73 A pintora e escultora Lygia Clark, que auto intitulava-se “não-artista”, 06/3/1961.Foto: Acervo/ Estadão 32 | 73 Niède Guidon, arqueóloga, formada em História Natural pela USP e com especialização em Arqueologia Pré-Histórica pela Sorbonne, trabalha no sítio arquiológico do Parque Nacional Serra da Capivara, no Piauí,01/3/1990.Foto: Márcia Zoet/ Estadão 33 | 73 Nair de Tefé,  primeira caricaturista brasileira, pianista e mulher do marechal Hermes da Fonseca, presidente do Brasil, 08/7/1970.Foto: Carlos Chicartino/ Estadão 34 | 73 A atriz Cacilda Becker, 1958.Foto: Acervo/ Estadão 35 | 73  A escritora em evento em São Paulo, SP, outubro de 1971. Rachel de Queiroz foi a primeira mulher a se tornar membro da Academia Brasileira de letras.Foto: Acervo/ Estadão 36 | 73 Carolina Maria de Jesus recebe o título de sócia honorária da Academia de Letras da Faculdade de Direito de São Paulo, 07/9/1960. Catadora de papel e moradora da favela do Canindé no centro de São Paulo, Carolina Maria de Juseus surpreendeu a literatura brasileira com o livro Quarto de Despejo – Diário de uma Favelada, em 1960. A obra desbancou Sartre e Jorge Amado nos mais vendidosFoto: Acervo/ Estadão 37 | 73 As atrizes Tônia Carrero e Eva Wilma seguram seus troféus do Prêmio Saci, durante cerimônia na capital paulista, realizada no auditório da rádio-emissora do jornal O Estado de S. Paulo, organizador do evento, São Paulo, SP. 11/11/1957.Foto: Acervo/Estadão 38 | 73 Maria Esther Bueno ganhadora de três medalhas no IV Jogos Pan-Americanos de 1963 realizado em São Paulo. Esther Bueno ganhou ouro na simples de tênis e prata de dupla feminina e prata de dupla mista, maio de 1963.Foto: Acervo/ Estadão 39 | 73 A poetisa Cecília Meireles, Brasil, São Paulo, SP, década de 1950. Foto: Acervo/Estadão 40 | 73 A atleta brasileira Conceição Geremias durante competição em 20/6/1987. Geremias conquistou a medalha de ouro no heptatlo feminino nos Jogos Pan-americanos de 1983, realizados em Caracas, na Venezuela.Foto: Alfredo Rizzutti/ Estadão 41 | 73 Ada Rogato em um avião. Foi uma das primeiras mulheres a receber o brevê de piloto de planador e a pular de pára-quedas na América Latina. Foi presidente da Fundação Santos Dumont e do Museu de Aeronáutica e do Espaço, 31/5/1958.Foto: Antônio Lúcio/ Estadão 42 | 73 Operária trabalha em fábrica de aviões de bombardeio. Mulheres foram a força produtiva das fábricas durante o esforço da Segunda Guerra Mundial, 1940.Foto: Rotogravura/ Estadão 43 | 73 Uma jovem do Women Auxiliar Corpse em ação, pilotando sua motocicleta, 1940Foto: Rotogravura/ Estadão 44 | 73 Mulher dirige uma motocicleta Lambretta na fábrica “Lambretta do Brasil S.A.”, no bairro da Lapa, na zona oeste de São Paulo, 11/10/1956.Foto: Acervo/ Estadão 45 | 73 Telefonista operando as linhas telefônicas em central na cidade de São Paulo, 27/6/1966.Foto: Reginaldo Manente/Estadão 46 | 73 A atriz e humorista Regina Casé recebe o Prêmio Molière de Teatro, em evento realizado em São Paulo, SP., 16/10/1978.Foto: Domício Pinheiro/ Estadão 47 | 73  Retrato da poetisa, escritora, cronista e dramaturga, Hilda Hilst, em sua casa, em Campinas, SP, 21/4/1988.Foto: Juvenal Pereira/ Estadão 48 | 73  A japonesa naturalizada brasileira Tomie Ohtake. Sua obra engloba pinturas, esculturas e gravuras, São Paulo, SP, década de 1980. Foto: Newton Aguiar/ Estadão 49 | 73 A atriz e bailarina Cláudia Raia, em São Paulo, SP, 18/4/1991.Foto: Ana Carolina Fernandes/ Estadão 50 | 73  A atriz e cantora Aracy de Almeida, São Paulo, SP, década de 1970. Foto: Acervo/Estadão 51 | 73 Professora em sala de aula com alunos do ensino primário, em São Paulo, SP na dácada de 1960. Foto: Acervo/Estadão 52 | 73 Mulheres fazem comício Pró-Diretas, São Paulo, SP, 16/4/1984.Foto: Claudinê Petroli/ Estadão 53 | 73 Estudantes uniformizadas na comemoração do centenário da Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, SP, 1970.Foto: Acervo/Estadão 54 | 73 As cantoras Suzana Salles, Vânia Bastos e Ná Ozetti, São Paulo, SP, 17/3/1989.Foto: André Douek/Estadão 55 | 73 A diretora da Associação Paulista de Combate ao Câncer, Carmen Prudente trabalha  junto com outras voluntárias da instituição, São Paulo, SP, 01/3/1989.Foto: Acervo/Estadão 56 | 73 Mulher operando torno em fábrica de panelas na cidade de São Paulo, SP, 18/7/1983.Foto: Reginaldo Manente/Estadão 57 | 73 Professora nas oficinas da Escola de Arte da Fundação Armando Alvarez Penteado (FAAP), no bairro do Pacaembu, na cidade de São Paulo, SP, 16/10/1963. Foto: Domício Pinheiro/ Estadão 58 | 73 A cantora Elba Ramalho durante apresentação no festival Rock in Rio II, no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, RJ. 25/01/1991.Foto: Chico Ferreira/ Estadão 59 | 73 A professora de educação física e empresária Ala Szerman. São Paulo, SP, 13/5/1989.Foto: Marcos Fernandes/ Estadão 60 | 73 A cantora e atriz Dóris Monteiro durante apresentação em São Paulo, SP. 12/7/1981.Foto: Joveci C. De Freitas/ Estadão 61 | 73  A atleta brasileira Conceição Geremias chega no Aeroporto de Guarulhos comemorando a conquista da medalha de ouro no heptatlo feminino nos Jogos Pan-americanos de 1983, realizados em Caracas, na Venezuela, 29/12/1983.Foto: Alfredo Ruzzutti/ Estadão 62 | 73 A atriz Fernanda Montenegro durante palestra/depoimento sobre o ano de 1968, no Teatro de Arena Eugênio Kusnet, região central de São Paulo, SP. 24/01/1990. Veja também: Bastidores do ‘Central do Brasil’ em fotos inéditasFoto: José Cordeiro/ Estadão 63 | 73  A atriz Dercy Gonçalves mostra os seios no desfile da escola de samba carioca Unidos do Viradouro, Rio de Janeiro, RJ. 12/02/1991.Foto: Carlão Limeira/ Estadão 64 | 73 Hortência comemora a conquista da medalha de ouro após o Brasil bater a seleção cubana de basquete na final dos Jogos Pan-Americanos, Ciudad de la Habana, Havana, 18/8/1991. Foto: Sérgio Berezovsky/ Estadão 65 | 73 Mulher caminha pela a estrada segurando crianças pelas mãos na região da  da Usina Hidrelétrica de Paulo Afonso na cidade de mesmo nome, na divisa da Bahia com Alagoas, 04/11/2015.Foto: Tiago Queiroz/ Estadão 66 | 73 A taxista Diva da Silva Nonato  ao volante de seu táxi, 09/8/2004..Foto: Monalisa Lins/ Estadão 67 | 73 A motorista de ônibus Rosane Marci Viana na garagem da empresa de transporte, em Água Santa, zona norte do Rio de Janeiro, 14/03/2002. Foto: Fábio Motta/ Estadão 68 | 73 A capitã-tenente, Isabel Figueiredo, uma das duas mulheres entre os 78 tripulantes do navio oceanogrófico Ary Rongel, da Marinha brasileira, que deixou o cais do arsenal de guerra da Marinha, no Rio de Janeiro, com destino a Estação Comandante Ferraz, na Ilha Rei George, na Antártica, 29/10/2003. Foto: Alaor Filho/ Estadão 69 | 73 Policiais militares durante a abertura do evento das comemorações dos 50 anos da mulher na Polícia Militar, São Paulo, 11/05/2005.Foto: Vidal Cavalcanti/ Estadão 70 | 73 Mulher trabalha em garimpo manual na comunidade de Mutum, em Roraima, fronteira entre Brasil e Guiana, 21/04/2004. Foto: Evelson de Freitas/ Estadão 71 | 73 A atacante Marta comemora seu gol durante partida contra a Alemanha válida pela Olimpíada 2008, no Shenyang Olympic Sports Centre Stadium, em Pequim, China, 06/8/2008.  Foto: Paulo Pinto/ Estadão 72 | 73 A cantora Madonna se apresenta durante show no estádio do Morumbi, na zona sul de São Paulo. SP. 03/11/1993.  Foto: Luludi/ Estadão 73 | 73 Outras campanhas eleitorais |Fotos Históricas | Eles também foram calouros: famosos no vestibular | História da pichação e do grafite em São Paulo | Foto: Acervo ❮❯ A revolução. Com o início da Primeira Guerra Mundial em 1914, as manifestações femininas durante o mês de março se tornaram também uma forma de protestar pelo término do conflito e pela paz. No período da guerra, um episódio definido pelo protagonismo feminino marcou o início do processo que colocou fim a 300 anos de monarquia na Rússia. A Revolução Russa, evento que transformou o mundo em 1917, teve nas mobilizações do Dia Internacional da Mulher um dos seus primeiros atos propulsores.  Mobilização do Dia Internacional da Mulher em São Petersburgo, Rússia, 08/3/1917. Foto: Reprodução/ The Illustrated London News

Naquele 8 de março, mulheres saíram às ruas de São Petersburgo para pedir por pão, melhores condições de vida e pela saída da Rússia da Primeira Guerra Mundial. Em fevereiro, operários russos já haviam começado a organizar uma série de protestos e greves. No dia 7 de março operários pararam a Putilov, maior fábrica da capital russa. No dia seguinte, uma onda de insatisfação irrompeu entre as mulheres nas filas de racionamento de pão, elas se juntaram aos comícios do Dia Internacional da Mulher e a mobilização tomou conta das ruas de São Petersburgo. O movimento operário aderiu à manifestação e cerca de 50 mil trabalhadores entraram em greve. O evento marcou o início da chamada Revolução Russa de 1917. As demonstração também fortaleceram a causa do sufrágio feminino no país.  O Estado de S.Paulo- 06/4/1917 Clique no link para ler mais. Foto: Acervo/Estadão

O Estado de S.Paulo – 18/4/1971 Foto: Acervo/Estadão Oficialização. A ONU declarou o ano de 1975 o Ano Internacional da Mulher. Ações e jornadas por todo mundo foram desenvolvidas pela entidade para promover a igualdade de gêneros e a proteção dos direitos das mulheres. Em 1977, a ONU oficializou a data 08 de março como o Dia Internacional da Mulher.

Conheça mais sobre a história da luta pelos direitos femininos através dos conteúdos produzidos pelo Acervo Estadão:

Policiais prendem sufragista durante protesto pelo direito feminino ao voto, Inglaterra, 1913. Foto: The Graphic/ Reprodução

# Quem foram as sufragistas

# Tragédia marcou luta pelos direitos das mulheres

# Por voto, feminista morre em Derby  

Emily Davidson é gravemente ferida pelo cavalo do rei da Inglaterra durante, o Derby de Epsom, ao tentar colocar um broche das sufragistas no animal, em 04/06/1913. A morte da jovem inflamou o movimento sufragista inglês Foto: The Graphic, 1913/ Reprodução

# Mulheres impulsionavam Revolução Russa

# Um “Velázquez” é retalhado pelo direito de voto feminino #Há um século: a primeira engenheira do País

# Questão de Simone Beauvoir no Enem: um assunto de meio século no Estadão  

 O Estado de S.Paulo, 1911 . Clique no link para ver mais Foto: Acervo/Estadão

# Mulheres de calças chocaram no início no século 20

# São Paulo aplaudia calça feminina em 1911

# Declarada guerra ao espartilho

O Estado de S.Paulo – 25/3/1911 Foto: Acervo/Estadão

# Em 1911, calças e aviões também eram coisas de mulher

# Pelo direito de usar monoquíni #Os ‘futuros’ da mulher​

Svetlana Savitskaya retorna à Terra após seu passeio no espaço, Moscou, Rússia 20/7/1984. Foto: TASS # Astronauta russa foi 1ª mulher a realizar um ‘spacewalk’

# Edith Cavell, a primeira mártir da Grande Guerra

# O último voo de Amélia Earhart

#Carolina Maria de Jesus, a escritora da favela Veja também:  

A equipe vive dias de fama Foto: TIAGO QUEIROZ / ESTADÃO #Liderado por mulheres, grupo que sequenciou genoma do coronavírus vive fama repentina

 #Websérie : DEIXA ELAS

Acervo Estadão

Todas as edições | Censuradas | Tópicos | Personalidades | Lugares | Páginas da História

Outras notícias06/07/2015 | 06h00HPV aumenta incidência de câncer de boca e garganta entre jovens26/05/2015 | 06h00Conheça os riscos de contrair trombose com uso de anticoncepcional 27/11/2014 | 09h00Como os melhores tatuadores do Brasil aprenderam a tatuar16/10/2015 | 08h09O que acontece se eu cortar o açúcar da dieta?27/02/2015 | 09h42Suplementação de vitaminas: quem deve tomar e quando15/05/2015 | 06h00A importância da prática de esportes na infância; entenda❮❯

O Dia Internacional da Mulher foi oficialmente criado pela ONU (Organização das Nações Unidas) em 1977. No entanto, o dia 08 de março já era utilizado por movimentos femininos como uma data para celebrar a luta pelos direitos das mulheres desde o início do século 20. Vários eventos influenciaram a criação da data, dois entre eles são lembrados como determinantes para sua oficialização. O primeiro – o incêndio na fábrica de roupas Triangle Shirtwaist, em Nova York, em 1911- foi uma tragédia que levou às capas dos jornais as terríveis condições de trabalho à que as mulheres era submetidas. O segundo  – um marco da História Contemporânea, a marcha das mulheres russa por pão e paz em 1917- iniciou uma revolução de efeitos globais que reverberam até hoje.  

A tragédia. Em 25 de março de 1911 um incêndio atingiu a fábrica de roupas Triangle Shirtwaist, nos Estados Unidos. Foi  o mais mortal acidente industrial da cidade de Nova York, matou 146 pessoas; 23 homens e 123 mulheres. Quem estava no prédio teve pouca chance contra o fogo, pois as saídas estavam trancadas. A prática de fechar as portas das oficinas, para impedir a saída para pausas durante o turno, era uma das ações arbitrárias contra as trabalhadoras.

O noticiário também revelou as péssimas condições de trabalho das vítimas. Cargas horárias extenuantes, que podiam chegar a mais de 16 horas diárias, salários incrivelmente baixos e locais insalubres eram alguns dos fatos da dura realidade vivida pelas operárias. 

Desde o final do século 19, organizações socialistas e sufragistas feministas defendiam a criação de um data para lembrar a luta das mulheres por direitos. A marxista alemã Clara Zetkin é lembrada como principal idealizadoras da proposta. Em 1910, durante a Conferência Internacional das Mulheres Socialistas, Zetkin defendeu a criação de uma mobilização anual. A revolta diante da tragédia na tecelagem Triangle se transformou numa bandeira por melhores condições de trabalho para as mulheres e acabou arregimentando mais ativistas para as diferentes causas femininas defendidas no Dia Internacional da Mulher.

73 imagens Dia Internacional da Mulher1 | 73 A atriz Leila Diniz e eleco da  peça teatral As Garotas da Banda recebem homenagens, no Clubinho, São Paulo, 29/4/1971.Foto: Sergio Arak/ Estadão 2 | 73 Mulher ergue uma flor em meio a multidão que se dirigia para comício das Diretas -Já   realizado na zona central da capital e que reuniu mais de 1 milhão de pessoas,  São Paulo, 16/4/1984. Foto: Alfredo Rizzutti/ Estadão 3 | 73 Policiais prendem sufragista durante protesto pelo direito feminino ao voto, Inglaterra, 1913.Foto: The Graphic/ Reprodução 4 | 73 Mulher veste as primeiras calças femininas, as ‘jupes- culottes’ ou ‘saias-calção, em passeio pela Avenida Central no Rio de Janeiro, 1911. Mulheres que se atreviam a desfilar a polêmica peça de roupa pelas ruas corriam o risco de serem perseguidas e hostilizadas. Saiba mais, leia Mulheres de calça chocaram no início no século 20.Foto: Revista Careta/ Reprodução 5 | 73 Manifestação pelo direito ao voto reuniu milhares de mulheres nas ruas de Londres em 14/6/1913. Manifestantes levam um estandarte com os dizeres “Give me liberty or give me death” (“Me dê liberdade ou me dê a morte”). Foto: The Graphic/ Reprodução 6 | 73 Mulheres trabalham na indústria automobilística de São Paulo, 01/02/1964.Foto: Acervo/ Estadão 7 | 73 Anésia Pinheiro Machado em 17/3/1982. Ela foi a primeira mulher a se habilitar e trabalhar como aviadora no Brasil. Em 1921, ela iniciou seus estudos, e no ano seguinte recebeu seu brevet internacional pelo Aéreo Clube do Brasil. Ainda neste ano, Anésia participou de uma apresentação de acrobacias aéreas e foi condecorada pelo aviador Santos Dumont. A aviadora recebeu dezenas de condecorações civis e militares, nacionais e estrangeiras.Foto: Acervo/ Estadão 8 | 73 A ministra da Indústria e Comércio, Dorothea Werneck, ao lado de Alencar Burti, da Fenabrave e de Vicentinho, durante reunião com empresários do setor automotivo e sindicalistas, em São Paulo, 15/04/1992. Foi também ministra do Trabalho entre 1989 e 1990. Foto: Mónica Zaratini/ Estadão 9 | 73 Ruth Escobar chega à Auditoria da Justiça Militar em 24 de abril de 1986 para ouvir a sentença que a condenava a seis meses de prisão por críticas ao regime militar e dá uma flor a um sentinela. Então deputada estadual pelo PMDB, ela recorreu em liberdade. Foto: Sidney Corralo/Estadão 10 | 73  A jornalista, atriz e apresentadora de televisão, Marília Gabriela, comanda debate entre políticos, em emissora da capital paulista, em 1989, durante a campanha eleitoral das primeiras eleições diretas após a redemocratização do País. Foto: Edu Garcia/ Estadão 11 | 73 Trabalhadora limpa lama da roda de um trator. Mulheres tomaram conta da produção agrícola na Europa, durante a Segunda Guerra Mundial, 1940. Foto: Rotogravura/ Estadão 12 | 73 Cássia Eller, durante show no Aeroanta, no bairro de Pinheiros, zona sul da cidade, São Paulo, SP. 02/6/1990. Foto: César Diniz/ Estadão 13 | 73 A professora e educadora Esther de Figueiredo Ferraz se reune como então ministro da Educação, Jarbas Passarinho, em Brasília- DF,  01/4/1972.  Esther de Figueiredi Ferraz foi a primeira mulher ministra de Estado no Brasil, ocupo a pasta da Educação de 1982 até 1985.Foto: Acervo/ Estadão 14 | 73 A atleta brasileira Wanda dos Santos salta, durante prova de atletismo em São Paulo, SP, 02/5/1961. Foto: Acervo/Estadão 15 | 73 A cantora Elizeth Cardoso é aplaudida pela platéia, que lotou o Teatro Municipal de São Paulo, SP. 23/10/1964. Foto: Acervo/Estadão 16 | 73 Operária trabalha no fabricação de armas. Mulheres foram a força produtiva das fábricas durante o esforço da Segunda Guerra Mundial, 1940.Foto: Rotogravura/ Estadão 17 | 73 Jovens do Women Auxiliar Corps, unidade do exército britânico, desatolam veículo militar. Segunda Guerra Mundial, 1940.Foto: Rotogravura/ Estadão 18 | 73 Mulher operando trator em plantação no Estado de São Paulo, 1960.Foto: Acervo/ Estadão 19 | 73 A cantora Inezita Barroso  fez um importante trabalho etnográfico, em 1956 viajou pelo país em um jipe, recolhendo registros musicais e manifestações populares, tal como fez o escritor Mario de Andrade na década de 1930.Foto: Acervo/ Estadão 20 | 73 Mulher curte show de Tim Maia, no Parque do Carmo, zona lesta da cidade de São Paulo, 25/9/1988.Foto: Ana Carolina Fernandes/ Estadão 21 | 73 Meninas enfrentam o trânsito pesado e a poeira da estrada para ir à escola no bairro do Jardim Nove de Julho, zona leste da capital paulista, São Paulo, SP. 20/10/1972. Foto: Acervo/ Estadão 22 | 73 Estudantes paulistas, 1970.Foto: Acervo/ Estadão 23 | 73 Mulheres participando da sessão da Constituinte na Câmara dos Deputados em Brasília, 21/3/1988.Foto: Alencar Monteiro/Estadão 24 | 73  A cantora Fafá de Belém participa do comício no ABC pela Campanha Diretas Já, São Paulo, SP.16/04/1984.Foto: Clóvis Cranchi/ Estadão 25 | 73 Olivia Tavares (2ª dir.), mãe do jornalista Fl?vio Tavares, que foi preso e banido do país, passando por um período de exílio, é vista unida com outras mulheres do Movimento Feminista Gaúcho pela Anistia, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, 14/12/1977. Foto: Antônio Vargas/ Estadão 26 | 73 A deputada Luiza Erundina é cercada e arrastada por policiais militares durante açãoo de reintegração  de posse de terreno no Jardim Aurora, na região de Guaianazes, zona leste de São Paulo, 01/10/1987.Foto: César Diniz/ Estadão 27 | 73 A professora e economista Maria da Conceiçãoo Tavares vista durante o simpósio “Brasil Século XXI”, na capital paulista,  02/8/1988. Foto: Waldemar Padovani/ Estadão 28 | 73 A cantora Elis Regina durante show em São Paulo, SP, 23/5/1966.Foto: Acervo/Estadão 29 | 73 Mulheres cantam palavras de ordem e exigem o cumprimento da lei de licença maternidade nas escadarias do Prédio da Gazeta, Avenida Paulista, São Paulo, 15/11/1988.Foto: José Bassit/ Estadão 30 | 73 Manifestantes cobram maior participação da mulher na política nacional, durante o 3º Encontro de Mulheres Latino Americano e do Caribe, em Bertioga, São Paulo, 01/8/1985.Foto: Alberto Marques/ Estadão 31 | 73 A pintora e escultora Lygia Clark, que auto intitulava-se “não-artista”, 06/3/1961.Foto: Acervo/ Estadão 32 | 73 Niède Guidon, arqueóloga, formada em História Natural pela USP e com especialização em Arqueologia Pré-Histórica pela Sorbonne, trabalha no sítio arquiológico do Parque Nacional Serra da Capivara, no Piauí,01/3/1990.Foto: Márcia Zoet/ Estadão 33 | 73 Nair de Tefé,  primeira caricaturista brasileira, pianista e mulher do marechal Hermes da Fonseca, presidente do Brasil, 08/7/1970.Foto: Carlos Chicartino/ Estadão 34 | 73 A atriz Cacilda Becker, 1958.Foto: Acervo/ Estadão 35 | 73  A escritora em evento em São Paulo, SP, outubro de 1971. Rachel de Queiroz foi a primeira mulher a se tornar membro da Academia Brasileira de letras.Foto: Acervo/ Estadão 36 | 73 Carolina Maria de Jesus recebe o título de sócia honorária da Academia de Letras da Faculdade de Direito de São Paulo, 07/9/1960. Catadora de papel e moradora da favela do Canindé no centro de São Paulo, Carolina Maria de Juseus surpreendeu a literatura brasileira com o livro Quarto de Despejo – Diário de uma Favelada, em 1960. A obra desbancou Sartre e Jorge Amado nos mais vendidosFoto: Acervo/ Estadão 37 | 73 As atrizes Tônia Carrero e Eva Wilma seguram seus troféus do Prêmio Saci, durante cerimônia na capital paulista, realizada no auditório da rádio-emissora do jornal O Estado de S. Paulo, organizador do evento, São Paulo, SP. 11/11/1957.Foto: Acervo/Estadão 38 | 73 Maria Esther Bueno ganhadora de três medalhas no IV Jogos Pan-Americanos de 1963 realizado em São Paulo. Esther Bueno ganhou ouro na simples de tênis e prata de dupla feminina e prata de dupla mista, maio de 1963.Foto: Acervo/ Estadão 39 | 73 A poetisa Cecília Meireles, Brasil, São Paulo, SP, década de 1950. Foto: Acervo/Estadão 40 | 73 A atleta brasileira Conceição Geremias durante competição em 20/6/1987. Geremias conquistou a medalha de ouro no heptatlo feminino nos Jogos Pan-americanos de 1983, realizados em Caracas, na Venezuela.Foto: Alfredo Rizzutti/ Estadão 41 | 73 Ada Rogato em um avião. Foi uma das primeiras mulheres a receber o brevê de piloto de planador e a pular de pára-quedas na América Latina. Foi presidente da Fundação Santos Dumont e do Museu de Aeronáutica e do Espaço, 31/5/1958.Foto: Antônio Lúcio/ Estadão 42 | 73 Operária trabalha em fábrica de aviões de bombardeio. Mulheres foram a força produtiva das fábricas durante o esforço da Segunda Guerra Mundial, 1940.Foto: Rotogravura/ Estadão 43 | 73 Uma jovem do Women Auxiliar Corpse em ação, pilotando sua motocicleta, 1940Foto: Rotogravura/ Estadão 44 | 73 Mulher dirige uma motocicleta Lambretta na fábrica “Lambretta do Brasil S.A.”, no bairro da Lapa, na zona oeste de São Paulo, 11/10/1956.Foto: Acervo/ Estadão 45 | 73 Telefonista operando as linhas telefônicas em central na cidade de São Paulo, 27/6/1966.Foto: Reginaldo Manente/Estadão 46 | 73 A atriz e humorista Regina Casé recebe o Prêmio Molière de Teatro, em evento realizado em São Paulo, SP., 16/10/1978.Foto: Domício Pinheiro/ Estadão 47 | 73  Retrato da poetisa, escritora, cronista e dramaturga, Hilda Hilst, em sua casa, em Campinas, SP, 21/4/1988.Foto: Juvenal Pereira/ Estadão 48 | 73  A japonesa naturalizada brasileira Tomie Ohtake. Sua obra engloba pinturas, esculturas e gravuras, São Paulo, SP, década de 1980. Foto: Newton Aguiar/ Estadão 49 | 73 A atriz e bailarina Cláudia Raia, em São Paulo, SP, 18/4/1991.Foto: Ana Carolina Fernandes/ Estadão 50 | 73  A atriz e cantora Aracy de Almeida, São Paulo, SP, década de 1970. Foto: Acervo/Estadão 51 | 73 Professora em sala de aula com alunos do ensino primário, em São Paulo, SP na dácada de 1960. Foto: Acervo/Estadão 52 | 73 Mulheres fazem comício Pró-Diretas, São Paulo, SP, 16/4/1984.Foto: Claudinê Petroli/ Estadão 53 | 73 Estudantes uniformizadas na comemoração do centenário da Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, SP, 1970.Foto: Acervo/Estadão 54 | 73 As cantoras Suzana Salles, Vânia Bastos e Ná Ozetti, São Paulo, SP, 17/3/1989.Foto: André Douek/Estadão 55 | 73 A diretora da Associação Paulista de Combate ao Câncer, Carmen Prudente trabalha  junto com outras voluntárias da instituição, São Paulo, SP, 01/3/1989.Foto: Acervo/Estadão 56 | 73 Mulher operando torno em fábrica de panelas na cidade de São Paulo, SP, 18/7/1983.Foto: Reginaldo Manente/Estadão 57 | 73 Professora nas oficinas da Escola de Arte da Fundação Armando Alvarez Penteado (FAAP), no bairro do Pacaembu, na cidade de São Paulo, SP, 16/10/1963. Foto: Domício Pinheiro/ Estadão 58 | 73 A cantora Elba Ramalho durante apresentação no festival Rock in Rio II, no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, RJ. 25/01/1991.Foto: Chico Ferreira/ Estadão 59 | 73 A professora de educação física e empresária Ala Szerman. São Paulo, SP, 13/5/1989.Foto: Marcos Fernandes/ Estadão 60 | 73 A cantora e atriz Dóris Monteiro durante apresentação em São Paulo, SP. 12/7/1981.Foto: Joveci C. De Freitas/ Estadão 61 | 73  A atleta brasileira Conceição Geremias chega no Aeroporto de Guarulhos comemorando a conquista da medalha de ouro no heptatlo feminino nos Jogos Pan-americanos de 1983, realizados em Caracas, na Venezuela, 29/12/1983.Foto: Alfredo Ruzzutti/ Estadão 62 | 73 A atriz Fernanda Montenegro durante palestra/depoimento sobre o ano de 1968, no Teatro de Arena Eugênio Kusnet, região central de São Paulo, SP. 24/01/1990. Veja também: Bastidores do ‘Central do Brasil’ em fotos inéditasFoto: José Cordeiro/ Estadão 63 | 73  A atriz Dercy Gonçalves mostra os seios no desfile da escola de samba carioca Unidos do Viradouro, Rio de Janeiro, RJ. 12/02/1991.Foto: Carlão Limeira/ Estadão 64 | 73 Hortência comemora a conquista da medalha de ouro após o Brasil bater a seleção cubana de basquete na final dos Jogos Pan-Americanos, Ciudad de la Habana, Havana, 18/8/1991. Foto: Sérgio Berezovsky/ Estadão 65 | 73 Mulher caminha pela a estrada segurando crianças pelas mãos na região da  da Usina Hidrelétrica de Paulo Afonso na cidade de mesmo nome, na divisa da Bahia com Alagoas, 04/11/2015.Foto: Tiago Queiroz/ Estadão 66 | 73 A taxista Diva da Silva Nonato  ao volante de seu táxi, 09/8/2004..Foto: Monalisa Lins/ Estadão 67 | 73 A motorista de ônibus Rosane Marci Viana na garagem da empresa de transporte, em Água Santa, zona norte do Rio de Janeiro, 14/03/2002. Foto: Fábio Motta/ Estadão 68 | 73 A capitã-tenente, Isabel Figueiredo, uma das duas mulheres entre os 78 tripulantes do navio oceanogrófico Ary Rongel, da Marinha brasileira, que deixou o cais do arsenal de guerra da Marinha, no Rio de Janeiro, com destino a Estação Comandante Ferraz, na Ilha Rei George, na Antártica, 29/10/2003. Foto: Alaor Filho/ Estadão 69 | 73 Policiais militares durante a abertura do evento das comemorações dos 50 anos da mulher na Polícia Militar, São Paulo, 11/05/2005.Foto: Vidal Cavalcanti/ Estadão 70 | 73 Mulher trabalha em garimpo manual na comunidade de Mutum, em Roraima, fronteira entre Brasil e Guiana, 21/04/2004. Foto: Evelson de Freitas/ Estadão 71 | 73 A atacante Marta comemora seu gol durante partida contra a Alemanha válida pela Olimpíada 2008, no Shenyang Olympic Sports Centre Stadium, em Pequim, China, 06/8/2008.  Foto: Paulo Pinto/ Estadão 72 | 73 A cantora Madonna se apresenta durante show no estádio do Morumbi, na zona sul de São Paulo. SP. 03/11/1993.  Foto: Luludi/ Estadão 73 | 73 Outras campanhas eleitorais |Fotos Históricas | Eles também foram calouros: famosos no vestibular | História da pichação e do grafite em São Paulo | Foto: Acervo ❮❯

1 | 73 A atriz Leila Diniz e eleco da  peça teatral As Garotas da Banda recebem homenagens, no Clubinho, São Paulo, 29/4/1971.Foto: Sergio Arak/ Estadão

2 | 73 Mulher ergue uma flor em meio a multidão que se dirigia para comício das Diretas -Já   realizado na zona central da capital e que reuniu mais de 1 milhão de pessoas,  São Paulo, 16/4/1984. Foto: Alfredo Rizzutti/ Estadão

4 | 73 Mulher veste as primeiras calças femininas, as ‘jupes- culottes’ ou ‘saias-calção, em passeio pela Avenida Central no Rio de Janeiro, 1911. Mulheres que se atreviam a desfilar a polêmica peça de roupa pelas ruas corriam o risco de serem perseguidas e hostilizadas. Saiba mais, leia Mulheres de calça chocaram no início no século 20.Foto: Revista Careta/ Reprodução

5 | 73 Manifestação pelo direito ao voto reuniu milhares de mulheres nas ruas de Londres em 14/6/1913. Manifestantes levam um estandarte com os dizeres “Give me liberty or give me death” (“Me dê liberdade ou me dê a morte”). Foto: The Graphic/ Reprodução

7 | 73 Anésia Pinheiro Machado em 17/3/1982. Ela foi a primeira mulher a se habilitar e trabalhar como aviadora no Brasil. Em 1921, ela iniciou seus estudos, e no ano seguinte recebeu seu brevet internacional pelo Aéreo Clube do Brasil. Ainda neste ano, Anésia participou de uma apresentação de acrobacias aéreas e foi condecorada pelo aviador Santos Dumont. A aviadora recebeu dezenas de condecorações civis e militares, nacionais e estrangeiras.Foto: Acervo/ Estadão

8 | 73 A ministra da Indústria e Comércio, Dorothea Werneck, ao lado de Alencar Burti, da Fenabrave e de Vicentinho, durante reunião com empresários do setor automotivo e sindicalistas, em São Paulo, 15/04/1992. Foi também ministra do Trabalho entre 1989 e 1990. Foto: Mónica Zaratini/ Estadão

9 | 73 Ruth Escobar chega à Auditoria da Justiça Militar em 24 de abril de 1986 para ouvir a sentença que a condenava a seis meses de prisão por críticas ao regime militar e dá uma flor a um sentinela. Então deputada estadual pelo PMDB, ela recorreu em liberdade. Foto: Sidney Corralo/Estadão

10 | 73  A jornalista, atriz e apresentadora de televisão, Marília Gabriela, comanda debate entre políticos, em emissora da capital paulista, em 1989, durante a campanha eleitoral das primeiras eleições diretas após a redemocratização do País. Foto: Edu Garcia/ Estadão

13 | 73 A professora e educadora Esther de Figueiredo Ferraz se reune como então ministro da Educação, Jarbas Passarinho, em Brasília- DF,  01/4/1972.  Esther de Figueiredi Ferraz foi a primeira mulher ministra de Estado no Brasil, ocupo a pasta da Educação de 1982 até 1985.Foto: Acervo/ Estadão

19 | 73 A cantora Inezita Barroso  fez um importante trabalho etnográfico, em 1956 viajou pelo país em um jipe, recolhendo registros musicais e manifestações populares, tal como fez o escritor Mario de Andrade na década de 1930.Foto: Acervo/ Estadão

21 | 73 Meninas enfrentam o trânsito pesado e a poeira da estrada para ir à escola no bairro do Jardim Nove de Julho, zona leste da capital paulista, São Paulo, SP. 20/10/1972. Foto: Acervo/ Estadão

25 | 73 Olivia Tavares (2ª dir.), mãe do jornalista Fl?vio Tavares, que foi preso e banido do país, passando por um período de exílio, é vista unida com outras mulheres do Movimento Feminista Gaúcho pela Anistia, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, 14/12/1977. Foto: Antônio Vargas/ Estadão

26 | 73 A deputada Luiza Erundina é cercada e arrastada por policiais militares durante açãoo de reintegração  de posse de terreno no Jardim Aurora, na região de Guaianazes, zona leste de São Paulo, 01/10/1987.Foto: César Diniz/ Estadão

29 | 73 Mulheres cantam palavras de ordem e exigem o cumprimento da lei de licença maternidade nas escadarias do Prédio da Gazeta, Avenida Paulista, São Paulo, 15/11/1988.Foto: José Bassit/ Estadão

30 | 73 Manifestantes cobram maior participação da mulher na política nacional, durante o 3º Encontro de Mulheres Latino Americano e do Caribe, em Bertioga, São Paulo, 01/8/1985.Foto: Alberto Marques/ Estadão

32 | 73 Niède Guidon, arqueóloga, formada em História Natural pela USP e com especialização em Arqueologia Pré-Histórica pela Sorbonne, trabalha no sítio arquiológico do Parque Nacional Serra da Capivara, no Piauí,01/3/1990.Foto: Márcia Zoet/ Estadão

36 | 73 Carolina Maria de Jesus recebe o título de sócia honorária da Academia de Letras da Faculdade de Direito de São Paulo, 07/9/1960. Catadora de papel e moradora da favela do Canindé no centro de São Paulo, Carolina Maria de Juseus surpreendeu a literatura brasileira com o livro Quarto de Despejo – Diário de uma Favelada, em 1960. A obra desbancou Sartre e Jorge Amado nos mais vendidosFoto: Acervo/ Estadão

37 | 73 As atrizes Tônia Carrero e Eva Wilma seguram seus troféus do Prêmio Saci, durante cerimônia na capital paulista, realizada no auditório da rádio-emissora do jornal O Estado de S. Paulo, organizador do evento, São Paulo, SP. 11/11/1957.Foto: Acervo/Estadão

38 | 73 Maria Esther Bueno ganhadora de três medalhas no IV Jogos Pan-Americanos de 1963 realizado em São Paulo. Esther Bueno ganhou ouro na simples de tênis e prata de dupla feminina e prata de dupla mista, maio de 1963.Foto: Acervo/ Estadão

40 | 73 A atleta brasileira Conceição Geremias durante competição em 20/6/1987. Geremias conquistou a medalha de ouro no heptatlo feminino nos Jogos Pan-americanos de 1983, realizados em Caracas, na Venezuela.Foto: Alfredo Rizzutti/ Estadão

41 | 73 Ada Rogato em um avião. Foi uma das primeiras mulheres a receber o brevê de piloto de planador e a pular de pára-quedas na América Latina. Foi presidente da Fundação Santos Dumont e do Museu de Aeronáutica e do Espaço, 31/5/1958.Foto: Antônio Lúcio/ Estadão

55 | 73 A diretora da Associação Paulista de Combate ao Câncer, Carmen Prudente trabalha  junto com outras voluntárias da instituição, São Paulo, SP, 01/3/1989.Foto: Acervo/Estadão

57 | 73 Professora nas oficinas da Escola de Arte da Fundação Armando Alvarez Penteado (FAAP), no bairro do Pacaembu, na cidade de São Paulo, SP, 16/10/1963. Foto: Domício Pinheiro/ Estadão

61 | 73  A atleta brasileira Conceição Geremias chega no Aeroporto de Guarulhos comemorando a conquista da medalha de ouro no heptatlo feminino nos Jogos Pan-americanos de 1983, realizados em Caracas, na Venezuela, 29/12/1983.Foto: Alfredo Ruzzutti/ Estadão

62 | 73 A atriz Fernanda Montenegro durante palestra/depoimento sobre o ano de 1968, no Teatro de Arena Eugênio Kusnet, região central de São Paulo, SP. 24/01/1990. Veja também: Bastidores do ‘Central do Brasil’ em fotos inéditasFoto: José Cordeiro/ Estadão

64 | 73 Hortência comemora a conquista da medalha de ouro após o Brasil bater a seleção cubana de basquete na final dos Jogos Pan-Americanos, Ciudad de la Habana, Havana, 18/8/1991. Foto: Sérgio Berezovsky/ Estadão

65 | 73 Mulher caminha pela a estrada segurando crianças pelas mãos na região da  da Usina Hidrelétrica de Paulo Afonso na cidade de mesmo nome, na divisa da Bahia com Alagoas, 04/11/2015.Foto: Tiago Queiroz/ Estadão

68 | 73 A capitã-tenente, Isabel Figueiredo, uma das duas mulheres entre os 78 tripulantes do navio oceanogrófico Ary Rongel, da Marinha brasileira, que deixou o cais do arsenal de guerra da Marinha, no Rio de Janeiro, com destino a Estação Comandante Ferraz, na Ilha Rei George, na Antártica, 29/10/2003. Foto: Alaor Filho/ Estadão

71 | 73 A atacante Marta comemora seu gol durante partida contra a Alemanha válida pela Olimpíada 2008, no Shenyang Olympic Sports Centre Stadium, em Pequim, China, 06/8/2008.  Foto: Paulo Pinto/ Estadão

73 | 73 Outras campanhas eleitorais |Fotos Históricas | Eles também foram calouros: famosos no vestibular | História da pichação e do grafite em São Paulo | Foto: Acervo

A revolução. Com o início da Primeira Guerra Mundial em 1914, as manifestações femininas durante o mês de março se tornaram também uma forma de protestar pelo término do conflito e pela paz. No período da guerra, um episódio definido pelo protagonismo feminino marcou o início do processo que colocou fim a 300 anos de monarquia na Rússia. A Revolução Russa, evento que transformou o mundo em 1917, teve nas mobilizações do Dia Internacional da Mulher um dos seus primeiros atos propulsores. 

Naquele 8 de março, mulheres saíram às ruas de São Petersburgo para pedir por pão, melhores condições de vida e pela saída da Rússia da Primeira Guerra Mundial. Em fevereiro, operários russos já haviam começado a organizar uma série de protestos e greves. No dia 7 de março operários pararam a Putilov, maior fábrica da capital russa. No dia seguinte, uma onda de insatisfação irrompeu entre as mulheres nas filas de racionamento de pão, elas se juntaram aos comícios do Dia Internacional da Mulher e a mobilização tomou conta das ruas de São Petersburgo. O movimento operário aderiu à manifestação e cerca de 50 mil trabalhadores entraram em greve. O evento marcou o início da chamada Revolução Russa de 1917. As demonstração também fortaleceram a causa do sufrágio feminino no país. 

Oficialização. A ONU declarou o ano de 1975 o Ano Internacional da Mulher. Ações e jornadas por todo mundo foram desenvolvidas pela entidade para promover a igualdade de gêneros e a proteção dos direitos das mulheres. Em 1977, a ONU oficializou a data 08 de março como o Dia Internacional da Mulher.

Emily Davidson é gravemente ferida pelo cavalo do rei da Inglaterra durante, o Derby de Epsom, ao tentar colocar um broche das sufragistas no animal, em 04/06/1913. A morte da jovem inflamou o movimento sufragista inglês Foto: The Graphic, 1913/ Reprodução

Emily Davidson é gravemente ferida pelo cavalo do rei da Inglaterra durante, o Derby de Epsom, ao tentar colocar um broche das sufragistas no animal, em 04/06/1913. A morte da jovem inflamou o movimento sufragista inglês Foto: The Graphic, 1913/ Reprodução

Comentários