O nome de Renato Feder, secretário de educação do Paraná e empresário do ramo da tecnologia, parece já estar certo para ocupar o cargo de ministro da educação. O anúncio oficial, segundo fontes ouvidas pelos jornais O Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo, deve sair apenas na próxima segunda, mas o convite foi feito ontem (2) pelo presidente Jair Bolsonaro. A análise do repórter especial da Folha Igor Gielow é que o objetivo desses três dias de espera é justamente fazer um “test-drive” para medir a avaliação da mídia e da população antes que aconteça a nomeação de fato –  já que Decotelli, o último ministro do MEC, ficou apenas cinco dias no cargo até que as irregularidades do seu currículo fossem descobertas. 

Se a estratégia foi medir a reação ao possível novo ministro e esgotar todas as suspeitas de antemão, o Twitter já está se movimentando para isso: entre a desaprovação da ala ideológica do governo e as críticas ao perfil privatizador de Feder, veja algumas reações no Twitter ao longo desta sexta!

Algumas personalidades pró-governo defenderam e apoiaram a escolha de Renato Feder para o Ministério da Educação, como a deputada federal Carla Zambelli (PSL), que destacou a tendência empreendedora do atual secretário de educação do Paraná ao enfatizar que ele ajudaria a formar alunos “competitivos para o mercado”.

Renato Feder defende a escola e o ensino sem ideologia política, qualquer q seja ela. Sabemos q ele irá trabalhar p/ formar adolescentes c/ excelência em português, matemática, ciência e afins.

Mas foi justamente esse teor liberal de Feder –  principalmente em pautas morais –  que parece ter desagradado os apoiadores mais ideológicos do governo. Defensores do presidente levantaram algumas informações um tanto quanto polêmicas do político e empresário como o fato de ele ter defendido a legalização das drogas em seu livro Carregando o Elefante – Como Livrar-se do Peso que Impede os Brasileiros de Decolar, e relembraram também o apoio e doações feitas por ele à campanha do atual governador de São Paulo, João Dória. Segundo o TSE, Feder chegou a doar R$ 120 mil para a campanha.

Colocar Feder no MEC é jogar fora todo o discurso de combater a doutrinação na escola e entregar nosso sistema de ensino na mão dos malditos globalistas.ESTOU PUCTA

Enquanto isso, os que se ativeram aos assuntos da educação, criticaram principalmente a postura privatizadora do possível novo ministro do MEC –  que, inclusive, já defendeu a extinção do ministério que ocupará. 

Se confirmada, a escolha de Renato Feder representa a mais grave ameaça privatista da História do MEC.Como Feder entra enfraquecido, por ter sido preterido por C. A. Decotelli, vai querer mostrar serviço – o que sob o bolsonarismo significa destruir. E privatizar é destruir.

Segundo o jornal O Globo, Feder já foi alvo de duas denúncias no Ministério Público por sonegação fiscal da empresa Multilaser, da qual é sócio. O valor totaliza R$ 22 milhões. 

Resta aguardar para ver o perfil mais “técnico” e discreto de Renato Feder o manterá no cargo por mais tempo que seus antecessores Vélez, Weintraub e Decotelli. 

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Comentários