Sormani defende que VAR não seja mais usado no Brasil: ‘Do jeito que está, varzeou’ – ISTOÉ Independente

O comentarista esportivo Fabio Sormani detonou a utilização do VAR no Brasil. Nesta quarta-feira, nos canais Fox Sports, o jornalista criticou o uso da tecnologia de vídeo no Brasileirão e afirmou que está na campanha pelo fim do uso no país. Sormani ainda mencionou um lance que pode ser julgado nos tribunais para concluir que o VAR deve deixar de ser usado no Brasil.+ Veja como ficou a tabela de classificação do Brasileirão Série A

Você pode ganhar de 2mil a 5mil reais vendendo geladinhos gourmet!

– “Varzeou”! A bola bate na mão, é falta. Na rua, sempre foi assim, mas futebol tem lei, é bem regido, é profissional, não deveria ser assim, está assim. Já que “varzeou”, tem que marcar qualquer falta se a bola bater na mão. “Varzeou”. Acho que o VAR não veio para ficar. O VAR tem que acabar, ainda mais do jeito que está no Brasil. É uma vergonha o que acontece aqui – disparou o comentarista.

Pouco depois, Sormani avaliou um lance que se tornou polêmico entre os torcedores no empate em 1 a 1 entre Ceará e São Paulo, nesta quarta-feira, pelo Brasileirão.

– Olha a confusão que deu em Fortaleza. Por conta do VAR. O bandeira tinha anulado o gol. Sem o VAR, o jogo seguiria na boa, agora a partida pode ir parar no tribunal. O VAR atrapalhou. Tomara que o VAR não fique. O VAR tem que ser banido do futebol, ou, pelo menos, revisto. Do jeito que está, “varzeou”.

O atacante Pablo havia marcado um gol pelo Tricolor, que foi confirmado pelo juiz da partida no VAR. Em seguida ao árbitro colocar bola em jogo, o VAR pediu para voltar e o gol foi anulado, o que é fora das regras do uso da tecnologia. A decisão polêmica irritou os atletas tricolores. O São Paulo pensa em ir à Justiça.

Leia também  Joice, sobre vídeo das hienas: “Ele está dispensando os votos e ajuda do partido?”

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.