Trabalhadores da Amazon prometem protestos hoje no Brasil e 14 países

Um dos principais dias do ano para o varejo em todo mundo, a Black Friday de hoje (27) também representa uma bela dor de cabeça para a Amazon, já que trabalhadores, sindicatos, grupos de direitos humanos e ambientalistas marcaram protestos contra a principal rede varejista global no “Make Amazon Pay”.

Você pode ganhar de 2mil a 5mil reais vendendo geladinhos gourmet!

Liderando o processo estão a UNI Global, um sindicato internacional de trabalhadores, a Oxfam e o Greenpeace. Eles elaboraram uma lista de demandas comuns que incluem aumento de salários e benefícios para trabalhadores dos armazéns da Amazon; quebra de direitos trabalhistas e acordos feitos com os sindicatos; o compromisso de encerrar contratos com a indústria de combustíveis fósseis.

+ Black Friday: casaco da Calvin Klein com desconto na Amazon+ Servidores da Amazon caem e derrubam parte da internet do mundo+ Amazon lidera ranking de satisfação de compra no Brasil, mostra levantamento

Um dos pontos levantados pelo grupo diz que enquanto a Amazon se tornou uma das corporações mais fortes no mundo durante a pandemia e seu CEO, Jeff Bezos, acumula uma fortuna superior a US$ 200 bilhões – a maior no mundo –, os trabalhadores estão arriscando a vida sem um aumento salarial digno.

Segundo o Business Insider, os protestos desta sexta-feira estão marcados em 15 países: Brasil, México, Estados Unidos, Reino Unido, Espanha, França, Bélgica, Alemanha, Luxemburgo, Itália, Polônia, Índia, Bangladesh, o Filipinas e Austrália.

Ao Business Insider, um representante da Amazon disse que os protestos são patrocinados por grupos com interesses particulares e que estão usando a rede para promoção de suas causas. Disse também que a companhia possui histórico de suporte aos empregados e consumidores, oferece boas condições de trabalho e está preocupada com o meio ambiente, adotando uma política de carbono zero até 2040.

Leia também  BBB 20 ao vivo: como assistir ao Big Brother Brasil online

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.