Publicado às 03h00 de 12/07/2018 – Atualizado às 03h00 de 12/07/2018

Rio – Cenário de muitas produções cinematográficas e de televisão brasileiras e também estrangeiras , Paraty vai reinaugurar o antigo Cine São Jorge. Localizado na Praça da Matriz, no coração do bem preservado Centro Histórico, o antigo sobrado, agora batizado de Cinema da Praça, será reaberto no dia 19 de julho.

Inaugurado na década de 1930 e desativado desde meados dos anos de 1970, o antigo sobrado do Cine São Jorge passou por profunda reforma. Porém, sem modificar as configurações arquitetônicas originais. Agora, o Cinema da Praça possui sala de projeção com capacidade de 80 lugares, com equipamento digital, e salas de leitura e de pesquisa.

“O Cinema da Praça é um equipamento cultural que virá para atender às crianças, aos jovens, e para a gente formar um novo público de cinema. O espaço ainda servirá para fomentar a produção audiovisual em Paraty”, adianta a secretária de Cultura, Cristina Maseda.

Ainda segundo ela, o Cinema da Praça contará com uma programação bastante diversificada, com ampla gama de gêneros. Estão previstas exibições de produções brasileiras e estrangeiras, voltadas para todos os públicos crianças, adolescentes, jovens e adultos. Também serão promovidas, regularmente, sessões destinadas aos alunos das escolas de Paraty.

“Estamos em busca de filmes mais recentes, de produções europeias que foram para festivais, e também de filmes brasileiros para fazer parte da nossa programação. Queremos atrair para o Cinema da Praça pré-estreias de produções nacionais”, avisa Cristina Maseda.

A secretária de Cultura garante também que o Cinema da Praça estará aberto para acolher possíveis mostras e festivais que venham a ser realizados na cidade. “Com certeza estamos pensando no assunto. E já temos algumas propostas para a realização de festivais de cinema aqui em Paraty. Estamos abertos a propostas”, completa a secretária Cristina Maseda.

As paisagens de Paraty sempre serviram de locação para variadas produções. Na lista de filmes, os brasileiros ‘Azyllo Muito Louco’ e ‘Como Era Gostoso Meu Francês’, de Nelson Pereira dos Santos; ‘Gabriela’, de Bruno Barreto’; ‘Leila Para Sempre Diniz’, de Luiz Carlos Lacerda; e ‘Tiradentes’, de Oswaldo Caldeira. Entre os estrangeiros, ‘A Floresta das Esmeraldas’ e ‘O Quinto Macaco’.

A cidade da Costa Verde também foi cenário de novelas e minisséries. Entre elas, ‘Mulheres de Areia’, ‘O Sorriso do Lagarto’, ‘O Quinto dos Infernos’ e ‘A Muralha’, da TV Globo. Também foram gravados por lá ‘A Marquesa de Santos’ e ‘Dona Beija’, ambas da TV Manchete, e um dos episódios da saga ‘Crepúsculo’.