Fama e dinheiro podem parecer sinônimo de felicidade. No entanto, muita gente rica e famosa, tragicamente, tem chegado ao extremo de dar fim à própria vida. Algumas celebridades se afundam no submundo das drogas, outras sofrem sérios transtornos psicológicos, outras não conseguem suportar o vazio que escondem no seu interior.

Será que não receberam a atenção médica mais adequada? Se não foi isto o que lhes faltou, o que então lhes faltou? Teria sido diferente a trajetória dessas pessoas se elas tivessem vivido uma experiência intensa da sua dimensão espiritual, descobrindo um sentido mais profundo para a sua existência? O seu “por quê?” e “para quê?” na vida não era apaixonante, não era realizador? Estas perguntas, entre muitas outras, estão na lista de questionamentos que surgem nas mentes quando se noticia um suicídio, em particular o de uma celebridade.

Tem havido um aumento global dos casos de suicídio, sem grandes discrepâncias entre os sexos e as faixas etárias. E importante: sem grandes diferenças nos motivos do suicídio entre os diversos grupos, incluindo os grupos de mais alto patrimônio financeiro.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), os últimos 45 anos viram os índices aumentarem 65% e chegarem aos atuais 800.000 suicídios por ano no mundo. A OMS observa que a depressão, cujos casos mais graves estão associados à conduta suicida, caminha para se tornar a doença mais comum no planeta – mas a depressão sozinha, na grande maioria dos casos, não leva ao suicídio. As causas do suicídio são muito mais complexas – e, ao mesmo tempo, muito mais simples: elas têm a ver com uma grave ausência de percepção de sentido na vida.

Além desses exemplos, também costuma haver a presença de transtornos mentais multicausais, ou seja, que não podem ser reduzidos ao problema da depressão. De novo: na grande maioria dos casos, a depressão não leva ao suicídio. Existem muitas circunstâncias particulares que podem levar, de início, a estados pouco conscientes de depressão que vão se agravando por não serem tratados adequadamente. Entre essas circunstâncias pode haver casos de bullying, assédio moral e/ou sexual, a perda de entes queridos, doenças graves etc. Por si sós, esses fatores não são suficientes para o suicídio, mas se transformam em motivos para ele quando chegam a compor um quadro geral em que se perdeu o sentido da própria existência, conseguindo-se enxergar apenas desilusão, vazio, sofrimento. Este é o quadro que precisa ser cuidado e evitado.

Pelas mesmas razões que gente não famosa também se suicida. Quando faltam os fatores-chave para uma vida sadia, equilibrada e rica em propósito existencial, a fama e o dinheiro perdem a máscara e se revelam incapazes de produzir realização.

Nossa sociedade precisa mais do que nunca de valores sólidos. Precisamos apoiar a construção de uma sociedade mais valorosa. Por isso, pedimos a você: ajude a promover os valores cristãos na sociedade. Os valores cristãos são um farol seguro, pois trazem a marca do próprio Jesus Cristo. Hoje em dia é muito difícil manter uma plataforma de difusão de valores cristãos como a Aleteia. Os leitores e as exigências crescem a cada dia, mas a publicidade está caindo de forma drástica. Certamente você já notou que muitos sites estão exigindo assinatura paga. Para nós, no entanto, esta não é uma opção, já que a nossa missão é promover e inspirar a vida cristã para o maior número possível de pessoas. Nós gostaríamos de reduzir o número de anúncios no site, mas simplesmente não podemos fazer isso, a menos que consigamos de outras formas a renda necessária para sustentar nossa missão. É por isso que precisamos da sua ajuda. O conteúdo da Aleteia requer muito trabalho e tem um custo alto de produção e distribuição. Se cada um que nos lê e aprecia desse um pequeno apoio, o futuro desta missão seria mais seguro. Com apenas $1, você pode apoiar a Aleteia, e isso só leverá um minuto. Obrigado por pensar nisso!