Você que é fã de vôlei de praia, acha que domina tudo sobre a modalidade? O GloboEsporte.com preparou uma lista com dez curiosidades sobre o esporte, para testar seu conhecimento, antes do Campeonato Mundial. Entre os dias 28 de junho e 7 de julho, a cidade de Hamburgo sediará o torneio, que acontece de dois em dois anos e é o principal do calendário da modalidade no processo seletivo para a Olimpíada de Tóquio 2020.

1. Acordo Verbal: você sabia que no vôlei de praia a dupla não formaliza contrato para que os atletas possam jogar juntos? No Brasil, mesmo os atletas profissionais e com medalhas olímpicas têm apenas acordos verbais, o que torna a relação da dupla, sem vínculo com clubes e entidades esportivas, bastante vulnerável. Muitas vezes os times são formados através de um simples papo via celular mesmo. Torneios oficiais da Federação Internacional de Vôlei (FIVB) também não exigem pré-requisitos contratuais, o que torna esse processo informal totalmente legal.

2. Uniformes: em torneios internacionais, os atletas devem usar a blusa ou top fornecido pelo organizador do evento. Mas, têm liberdade em relação ao short, boné e braçadeiras – todos normalmente são espaços publicitários. Só se exige que a cor predominante do short/biquíni seja igual para os dois parceiros. No caso do feminino, como as mulheres costumam utilizar biquíni e o espaço para publicidade é reduzido, algumas atletas colocam no próprio corpo tatuagens provisórias com a marca da empresa a ser exposta.

3. Dimensão da quadra: a dimensão da quadra na praia já foi a mesma do vôlei de quadra, mas de quinze anos para cá mudou para dar mais emoção no jogo, o popular rally. Antes era 9mx18m e agora é 8mx16cm.

4. Técnico: o vôlei de praia é um dos poucos esportes onde os técnicos não podem ficar na quadra ou se comunicar com os atletas durante os jogos. Muitos deles ficam na arquibancada mesmo, misturados no meio da torcida. No Circuito Mundial, no Campeonato Mundial e nas próprias Olimpíadas não é possível se comunicar com o treinador. No Circuito Brasileiro, no entanto, é possível.

5. Marcações: no vôlei de praia os atletas utilizam as mãos para a comunicação. Antes do saque, as duplas combinam entre si a estratégia de bloqueio e defesa através de marcações feitas com os dedos. Cada mão colocada atrás das costas representa um rival, de acordo com a posição na quadra. Mão direita indica como se defender de um ataque do oponente posicionado no lado direito (entrada de rede), e o mesmo princípio é utilizado com a mão esquerda, referindo-se ao atleta da saída de rede.

6. Praia? Você sabia que apesar de ser uma modalidade de praia, muitos torneios acontecem longe dela? Aliás, poucos são os eventos do Circuito Mundial realizados em ambientes naturais, na beira da praia. Na República Tcheca, por exemplo, a arena é montada onde antes funcionava um complexo de fábricas. Essas arenas são muito comuns especialmente em lugares de frio, onde os atletas aprendem o vôlei de praia em locais artificiais e climatizados.

7. Ingressos: é possível dizer que o vôlei de praia é quase um esporte público. Com exceção dos eventos cinco estrelas do Circuito Mundial, a entrada para os torneios da modalidade é sempre franca. Por esse motivo, é muito comum ver filas e mais filas nos dias das finais dos grandes eventos, já que o único critério de ingresso é a ordem de chegada.

8. Idade: apesar de ser um esporte de intenso desgaste físico, o vôlei de praia é uma modalidade praticada por muitos atletas já bens mais experientes. Muitos atletas seguem atuando em alto nível mesmo após os 40 anos. É o caso, por exemplo, do campeão olímpico Ricardo e da tricampeã olímpica Kerry Walsh.

9. Remuneração: especialmente no Brasil é comum ver atletas de alto rendimento, com títulos internacionais expressivos, mas sem estabilidade financeira. Sem contratos com clube e com pouco investimento da iniciativa privada, tem atleta que é referência na modalidade que ainda assim joga pela subsistência. Isso quer dizer que tem gente que compete pela premiação e que só com ela consegue se manter na modalidade.

10. Regras: muitas regras do vôlei de praia são semelhantes às do de quadra, mas algumas se distanciam. A invasão por baixo da rede, por exemplo, não é considerada falta, desde que não atrapalhe a jogada do rival. Toques duplos são julgados com mais rigidez, entretanto, a tolerância para com as conduções é maior.