O filme relata a trajetória artística de um dos grandes nomes da cultura popular brasileira: o multiartista Antonio Nóbrega. Conduzido pelos personagens João Sidurino e Rosalina – das peças “Brincante” e “Segundas Histórias”, o filme faz uma verdadeira viagem musical pela obra de Antonio.

Por meio de linguagens artísticas, como o teatro, a música e a dança, o misto de ficção e documentário vai aos poucos tecendo parte da trajetória artística do pernambucano. Em 2015, a produção levou o prêmio de melhor filme pela Academia Brasileira de Cinema, na categoria documentário.

Antonio Nóbrega nasceu em Recife, Pernambuco, em 1952. Sua iniciação artística se deu através do violino, instrumento que sempre o acompanha em suas diversas atividades artísticas. Entre 1968 e 1970, já participava da Orquestra de Câmara da Paraíba e da Orquestra Sinfônica de Recife. Em 1971, foi convidado por Ariano Suassuna para integrar o Quinteto Armorial, grupo percursor na criação de uma música de câmara brasileira de raízes populares.

Fruto do seu envolvimento com o universo da cultura popular brasileira, a partir de 1976, começou a desenvolver um estilo próprio de criação em artes cênicas e música. A lista dos seus espetáculos é longa, dentre eles estão “A Bandeira do Divino”, “A Arte da Cantoria”, “O Maracatu Misterioso”, “O Reino do Meio-Dia”, “Figural”, “Brincante”, entre outros.

Com sua mulher, Rosane Almeida, idealizou e dirige, em São Paulo, o Instituto Brincante, local de cursos, apresentações, oficinas, mostras e encontros onde o casal procura apresentar, dinamizar e difundir aspectos da cultura brasileira pouco ou não conhecidos.