ANDRÉ RIEU. O filme concerto “Amore — My tribute to love”, do maestro e violinista holandês André Rieu, será exibido no cinema. Acompanhado por sopranos, tenores e solistas convidados da Johann Strauss Orchestra, o músico teve sua apresentação gravada na praça De Vrijthof, em Maastricht, sua cidade Natal. R$ 40. Não recomendado para menores de 12 anos.

‘AUTORRETRATOS’. De 18 a 30 de setembro, a mostra reúne 21 documentários autobiográficos em que o foco é o próprio diretor, com curadoria do cineasta Aristeu Araújo. Ter, às 15h40m: “Homem carro”, de Raquel Valadares (Brasil, 2009); livre. Às 17h20m: “Santiago”, de João Moreira Salles (Brasil, 2007); livre. Às 19h: “Elegia de um crime”, de Cristiano Burlan (Brasil, 2018); 14 anos. Qua: às 15h: “Diários” 1 e 2, de David Perlov (Israel, 1973-1983); 14 anos. Às 17h10m: “Tarnation”, de Jonathan Caouette (EUA, 2004); 16 anos. Às 19h, “Construindo pontes”, de Heloisa Passos (Brasil, 2016); 10 anos. Qui: às 13h50m: “33”, de Kiko Goifman (Brasil, 2002); 12 anos. Às 15h30m: “Diários” 3 e 4, de David Perlov (Israel, 1973-1983); 14 anos. Às 17h50m: “E agora? Lembra-me”, de Joaquim Pinto (Portugal, 2014); 18 anos.

CINEMAISON. A sala do Consulado da França exibe filmes franceses. Seg, às 13h: “Sarajevo”, de Damien Fritsch (França, 2013); livre. Às 15h: “Félicité”, de Alain Gomis (França, 2017); livre. Às 18h: “Não sou um canalha”, de Emmanuel Finkiel (França, 2015); 12 anos. Às 20h: “O grande jogo”, de Nicolas Pariser (França, 2015); livre. Ter, às 19h: “Run”, de Philippe Lacôte (França, 2013); 14 anos.

‘FESTIVAL REMASTER’. A mostra exibe clássicos do cinema brasileiro remasterizados, entre os dias 20 e 26 de setembro, em oito cidades do Brasil. Qui: às 15h30m e às 19h30m, “Vidas secas” (1963), de Nelson Pereira dos Santos; 18 anos.

‘HELL DE JANEIRO’. O festival apresenta, de 13 a 19 de setembro, 59 filmes de horror, terror e comédia assustadora, nacionais e internacionais de Alemanha, Argentina, Canadá, China, Dinamarca, Espanha, Estônia, EUA, Finlândia, França, Hong Kong, Itália, Nigéria, Portugal, Reino Unido e Suíça. Sex, às 19h10m: “Framed”, de Marc Martínez Jordán (Espanha, 2018). Sáb, às 19h10m: “Montréal Dead End”, de Rémi Fréchette, Loïc Surprenant, David Émond-Ferrat e outros (Canadá, 2017). Dom, às 19h10m: “VelociPastor”, de Brendan Steere (EUA/China, 2018). Seg, às 21h10m: “O nó do diabo”, de Ramom Porto Mota, Ian Abé, Jhésus Tribuzi e Fabiano Raposo (Brasil, 2018). Ter, às 19h10m: “A noite devorou o mundo”, de Dominique Rocher (França, 2018). Qua, às 19h10m: “Aterrados”, de Demián Rugna (Argentina, 2018). Às 21h10m: “Montréal Dead End”, de Rémi Fréchette, Loïc Surprenant, David Émond-Ferrat e outros (Canadá, 2017). Todos os filmes não são recomendados para menores de 18 anos.

‘METRÓPOLIS’. O clássico de Fritz Lang (Alemanha, 1927) será exibido com trilha sonora ao vivo pela Orquestra Sinfônica Nacional, em comemoração aos 50 anos do Cine Arte UFF. Sáb, às 19h. Não recomendado para menores de 12 anos.

‘PROJETA: FILMES DO QUEBEC’. A diversidade do cinema da província do Canadá dos últimos 20 anos será apresentada na mostra que acontece entre 13 e 19 de setembro no Estação Net Botafogo 1. Serão exibidos 15 longas, entre ficções e documentários, de cineastas independentes, com curadoria de Katia Adler. Sex, às 15h: “Inch’Allah”, de Anaïs Barbeau-Lavalette (Canadá, 2014); 14 anos. Às 17h: “O jardineiro”, de Sébastien Chabot (Canadá, 2016), livre. Às 19h: “Gabrielle”, de Louise Archambault (Canadá, 2013); 10 anos. Às 21h: “C.R.A.Z.Y.”, de Jean-Marc Vallée (Canadá, 2006); 16 anos. Sáb, às 15h: curtas de animação para crianças; livre. Às 17h: “Hochelaga, terra das almas”, de François Girard (Canadá, 2017); 10 anos. Às 19h: “Cão de guarda”, de Sophie Dupuis (Canadá, 2018); livre. Às 21h: “Tatuagens falsas”, de Pascal Plante (Canadá, 2017); 14 anos. Dom, às 15h: “Gabrielle”, de Louise Archambault (Canadá, 2013); 10 anos. Às 17h: “A raiva dos Inuk”, de Alethea Arnaquq-Baril (Canadá, 2017); livre. Às 19h: “A paixão de Augustine”, de Léa Pool (Canadá, 2015); livre. Às 21h: “Incêndios”, de Denis Villeneuve (Canadá, 2010); 14 anos. Seg, às 15h: “Hochelaga, terra das almas”, de François Girard (Canadá, 2017); 10 anos. Às 17h: “Prank — Pegadinhas”, de Vincent Biron (Canadá (2016); 12 anos. Às 19h: “Tatuagens falsas”, de Pascal Plante (Canadá, 2017); 14 anos. Às 21h: “O declínio do império americano”, de Denys Arcand (Canadá, 1986); 12 anos. Ter, às 15h: “A raiva dos inuk”, de Alethea Arnaquq-Baril (Canadá, 2017); livre. Às 17h: “Tuktuq”, de Robin Aubert (Canadá, 2016); livre. Às 19h: “Prank — Pegadinhas”, de Vincent Biron (Canadá, 2016); 12 anos. Às 20h30m: “Mommy”, de Xavier Dolan (Canadá, 2014); 14 anos. Qua, às 14h: “C.R.A.Z.Y.”, de Jean-Marc Vallée (Canadá, 2006); 16 anos. Às 16h40m: “A paixão de Augustine” de Léa Pool (Canadá, 2015); livre. Às 18h40m: “Cão de guarda”, de Sophie Dupuis (Canadá, 2018); livre. Às 20h30m: “Laurence anyways”, de Xavier Dolan (Canadá, 2012); 12 anos.

VISÕES PERIFÉRICAS. Em sua 12ª edição, o festival exibe, até 16 de setembro, curtas, médias e longas de diversos estados que apresentam um olhar sobre a realidade das periferias brasileiras. Sex, às 17h (cinema 1): “Vitória”, de Alberto Bellezia (2018); livre. Sáb, às 15h30m: “Concreto memória”, de Vitor Xavier (2017); 12 anos. Às 17h30m: “Ramo”, de Hugo Coutinho, João Lucas Melo, Rafael Amorim e Pedro Andrade (2017); 10 anos. Dom, às 14h (cinema 1): “O pranto do artista — Um manifesto Circo Young & Coletivo Labcine”, de Weslley Oliveira (2018); livre. Às 15h30m (cinema 2): “Ela volta na quinta”, de André Novais Oliveira (2015); livre.