Rodrigo Pandolfo esta na tela grande como o Juliano de Minha Mãe é uma Peça 3 – uma das maiores bilheterias do cinema atual – e estreia hoje nas telinhas como Jorge Abelardo Barbosa de Medeiros, o filho do velho Guerreiro na série Chacrinha que estreia hoje na Globo. Seu próximo projeto é Herois, peça teatral que fala de cicatrizes de guerra. “A salvação está no amor, na tolerância, na compreensão, no afeto’.

+ 5 fatos que talvez você não saiba sobre o Chacrinha + “Tem que ser muito macho pra ser gay e estampar a capa da revista”, diz Paulo Gustavo + Mariana Xavier brinca com filtro de Instagram: “Meu nome agora é Dona Hermínia”

GQ Brasil: O que esperar da série Chacrinha que complementa o filme de 2018? Qual era sua visão do Velho Guerreiro antes e depois deste projeto? Rodrigo Pandolfo: Chacrinha foi um dos maiores comunicadores do Brasil, portanto, a expectativa é de que a série faça juz à sua história e venha com a força que ele merece. Conhecia muito pouco do seu mundo fora dos holofotes e, com a série, pude mergulhar mais fundo e conhecer sua essência, seus medos, inseguranças, bem como sua brilhante e árdua trajetória artística.

GQ Brasil: Você está nos cinemas com o Minha Mae é uma Peça 3, do Paulo Gustavo. Esperava que o filme fosse virar este grande sucesso? O que, na sua opinião, é o grande barato do filme que conquista a todos? Rodrigo Pandolfo: Minha Mãe é uma Peça continua nos surpreendendo. Depois do sucesso dos dois primeiros filmes, é razoável esperar que a terceira edição tenha seu público cativo…mas confesso que o rápido sucesso deste vem ultrapassando minha expectativas. Estou tendo um retorno surpreendente e emocionante. Acredito na soma das forças e Minha mãe é uma Peça é o conjunto de um elenco afinado, um enredo empático, um texto engraçado, muito amor envolvido e, claro, uma energia invisível que abençoa esse projeto.

GQ Brasil: Por que decidiu falar sobre guerra, e traumas dela, em seu projeto Heróis? Por que tenho a impressão de que a guerra nunca deixou de existir, mesmo em pequenas dimensões, entre países ou dentro de casa. E, mais do que nunca, sinto a necessidade de expor as cicatrizes que elas causam ao longo de uma vida. Trata-se do meu propósito como artista e ser humano. A salvação está no amor, na tolerância, na compreensão, no afeto.

Facebook Comments