São José do Rio Preto (SP) completa 168 anos nesta quinta-feira (19) e a maior cidade da região noroeste paulista não é apenas a principal no interior de São Paulo, mas sim de todo o país. É o que aponta um estudo do Desafios da Gestão Municipal deste ano, divulgado recentemente.

A cidade ficou em segundo lugar com índice de 0,739. Rio Preto ficou atrás apenas de Piracicaba, com 0,757 no índice. O ranking é feito a partir de um índice chamado IDGM, que reúne 15 indicadores em quatro áreas: educação, saúde, segurança e saneamento.

Dentro da área de educação, os melhores indicadores vieram na educação infantil (0 a 5 anos). Rio Preto ficou na primeira colocação neste item, com um crescimento de 23,12% no número de crianças atendidas, que passou de 8,6 mil para 10,5 mil entre 2008 e 2018. Atualmente, apenas na rede municipal de ensino há 8,9 mil matriculados nesta faixa etária.

No ensino fundamental 1, que vai do 1º ao 5º ano e atende crianças de 6 a 10 anos, a cidade obteve a 5ª colocação geral. Nesta faixa, o número de matriculados subiu de 18,6 mil para 19 mil entre 2007 e 2017. Neste ano, apenas as escolas municipais contam com mais de 20 mil matriculados nesta faixa de ensino.

Rio Preto também é referência na saúde em todo o Brasil. O Hospital de Base, por exemplo, o mais importante da região noroeste paulista, tem feito cirurgias inéditas não só para o interior, mas para o Brasil.

Em junho do ano passado, os médicos operaram o intestino de um feto com malformação congênita ainda na barriga da mãe no Hospital da Criança e Maternidade (HCM), que é ligado ao Hospital de Base. O procedimento foi pioneiro no mundo, segundo os especialistas.

Já em janeiro deste ano, o hospital realizou o oitavo transplante de coração em criança da história do complexo da Funfarme, que engloba o HCM e o HB. O Hospital da Criança é referência nacional em cirurgia cardíaca pediátrica.

Desde 1992, quando ocorreu o primeiro transplante na Funfarme, já foram realizados mais de 5.200 transplantes de coração, pâncreas, córneas, rins, fígado e medula. Destes 112 foram de transplantes de coração em adultos e crianças.

Além do HB, os hospitais de referência para o tratamento de casos graves são o Hospital das Clínicas de São Paulo e Instituto de Infectologia Emílio Ribas, na capital. No interior, HCs de Ribeirão Preto (USP) e Campinas (Unicamp), e, no litoral, o Emílio Ribas II, do Guarujá.

A tradicional missa na Catedral ao padroeiro de Rio Preto, São José, sofrerá alterações. A missa é feita sempre às 10h, mas neste ano a diocese decidiu fazer quatro missas para evitar aglomeração de pessoas.

Facebook Comments