Como o luto ajudou uma jovem brasiliense a vencer o câncer e a obesidade

Quantas lições importantes podem guardar um momento de dor? A resposta para a brasiliense Mayara Freitas é um relato de vida. Aos 20 anos, ela perdeu a mãe, Lúcia Freitas, para doenças decorrentes da obesidade mórbida e por negligência do serviço de saúde pública. “Ela estava muito mal e levaram-na para um posto de saúde, sem nenhuma estrutura”, lembra

 O episódio, narrado com a emoção de quem admite não ter superado a saudade, foi um golpe duro, mas que deixou ensinamentos e despertou em Mayara, atualmente com 31 anos, uma sede infinita de viver. Sem poder salvar a mãe, ela decidiu lutar, com afinco, pela própria vida

  “Perdê-la foi o maior estrago que a alimentação desregrada fez na minha vida”, conta

 Entre as lembranças que ficaram da mãe, uma a marcou de forma especial. Em uma folha de caderno, com algumas resoluções pessoais, Lúcia escreveu à mão os sonhos que tinha: emagrecer, ter independência financeira e ser feliz. “Ela costumava dizer que já tinha sido tão feliz que já ‘tava bom’, para eu não me preocupar porque ela era feliz. Mas note que o objetivo número um era emagrecer”, ressalta Mayara

 Lúcia faleceu quando Mayara tinha 20 anos, após uma crise de diabetes A sensação de que a partida da mãe poderia ter sido evitada motivou a brasiliense a adotar novos hábitos e ingressar no curso de nutrição. Como resultado, ela se livrou da obesidade e conseguiu enfrentar, mais forte, o segundo câncer, anos mais tarde

 “Eu tenho um histórico chato com ‘cânceres’. A obesidade, porém, sempre foi a doença mais grave que eu tive. Igualmente ao câncer, ela aniquila sua autoestima

  Te deixa presa num corpo cansado, que pesa mais do que foi programado para pesar. O pior, sem dúvida, são os efeitos silenciosos”, diz

 “A Mayara de 35 quilos a mais me fez estudar nutrição para a Mayara seguinte nascer, e se essa Mayara existisse quando minha mãe morreu com obesidade mórbida, eu poderia tê-la salvado”, completa

Leia também  'Plus' na dieta: veja como o óleo de linhaça ajuda no emagrecimento

 Luta pela vidaO primeiro câncer, um linfoma, foi diagnosticado aos 15 anos, e curado após cirurgia e várias sessões de rádio e quimioterapia. Mayara tinha apoio incondicional da mãe e acesso a seu plano de saúde. O tumor foi descoberto em um estágio avançado. Apesar disso, o tratamento correu sem problemas

 Já o segundo, descoberto em dezembro do ano passado, na mama, levou Mayara a travar uma nova luta pela sobrevivência

 Após uma série de opiniões controversas de médicos, ela recebeu, mais uma vez, o diagnóstico de um câncer em estágio avançado. Casada, mãe de dois filhos e madrasta de outros dois – filhos do companheiro, Alex Vinicius – e sem poder trabalhar, ela precisou enfrentar parte do tratamento na rede pública de saúde, durante a pandemia do novo coronavírus

Mayara Freitas Sobreviveu ao cancer e superou a obesidade_Ao longo da vida, Mayara já venceu dois cânceres e superou a obesidadeGustavo Moreno/Esp. MetropolesMayara Freitas Sobreviveu ao cancer e superou a obesidade007O último câncer, de mama, foi tratado durante a pandemiaGustavo Moreno/Esp. MetropolesMayara Freitas Sobreviveu ao cancer e superou a obesidade009Usuária do sistema de saúde público, ela fez a mastectomia rapidamente, mas ficou meses aguardando ser chamada para a quimioterapia. Como isso não aconteceu, ela resolveu agirGustavo Moreno/Esp. MetropolesMayara Freitas Sobreviveu ao cancer e superou a obesidade004″Pesquisei tudo que poderia fazer na internet. Sou meio nerd do Google. E descobri que poderia ser incluída no plano de saúde da minha madrasta por causa das sequelas deixadas pela retirada dos linfonodos da axila”, lembraGustavo Moreno/Esp. MetropolesMayara Freitas Sobreviveu ao cancer e superou a obesidade006Na última quinta-feira (19/11), ela venceu a batalha e concluiu a última quimioterapia do tratamento. Está, em tese, curadaGustavo Moreno/Esp. MetropolesMayara Freitas Sobreviveu ao cancer e superou a obesidade008Ela também atribui sua cura à mudança de hábitos, motivada pela perda da mãe. “Os médicos me diziam: não sei o que você está fazendo, mas continua. E eu estava comendo bem, tudo que era saudável e fazendo jiu-jitsu, malhando”Gustavo Moreno/Esp. Metropoles0A radioterapia não era indicada em virtude do primeiro câncer e ela foi conduzida à mastectomia total. Além disso, precisou retirar linfonodos na axila esquerda, adquirindo paresia, uma perda parcial de movimentos, considerada  deficiência física

Leia também  De vez em quando, não funciona!

 O dia do procedimento, no qual conheceu várias pacientes do Hospital de Base, e pôde se sentar na janela, de frente para a W3 Sul, é um dos momentos que ela descreve com mais alegria. “Fiquei amiga de todo mundo. Se me perguntasse se eu queria ter tido plano de saúde desde o início, para ter sofrido menos nesse processo, diria que não

  Foi muito legal contar minha história para as pessoas, ouvir porque eles estavam ali, e ficar contemplando a cidade que eu sou apaixonada”, destaca

 Estratégia para driblar falta de respostasDepois da cirurgia, Mayara conta que precisou implorar por medicação. “Eu sou muito resistente à dor, mas aquela era insuportável. Meu marido questionou a equipe e informaram que eu havia sido medicada com Tylenol. Surtei nessa hora. Pedi que ele tentasse resolver e só lá para a quarta dose de morfina a dor de fato diminuiu”

Passado esse episódio, a estudante ficou quatro meses aguardando o início das sessões de quimioterapia, em vão. “Eu sempre fui muito nerd do Google. Então, sabia tudo sobre meus cânceres e chegava a discutir com os médicos. Compreendia que a resposta da quimio era mais eficaz se feito dentro de uma janela de três meses. Comecei a entrar em desespero”

 “Eu consegui, nunca duvidei que conseguiria, eu sobrevivi a mais um câncer”No início do mês, o Metrópoles mostrou o drama de quem depende dos medicamentos quimioterápicos. Em plena campanha do Outubro Rosa, contra o câncer de mama, a carência dos insumos prejudicou diversas pessoas com a doença. Ao investigar o caso, a Defensoria Pública do DF descobriu o risco iminente de desabastecimento de mais de 60% dos quimioterápicos

Leia também  Sobre o look de Sara Sampaio

O sentimento de que poderia ser mais uma vítima da falta de recursos e da negligência do sistema de saúde fez com que Mayara elaborasse em uma estratégia rápida para dar sequência ao tratamento. “Descobri uma cláusula no plano de saúde da minha madrasta que garante a inclusão de dependentes da minha idade, em caso de deficiência e limitações físicas. Depois de muita insistência, consegui ser incluída e iniciei meu tratamento em uma unidade privada”, narra

 Na semana passada, ela concluiu a última sessão de quimioterapia. Está curada do segundo câncer e disposta a repassar as lições que aprendeu ao longo de sua luta pela vida. O plano, agora, é abrir um projeto voltado para a saúde integral com o esposo, uma vez que ambos estudam nutrição e dão aulas de jiu-jitsu

 “Foi uma sucessão de acertos. Durante todo o tratamento, me alimentei muitíssimo bem, fiz exercícios físicos, contei com apoio incondicional do Alex, além de ter corrido atrás, não ter ficado esperando algo acontecer. Os médicos diziam o tempo todo: não sei o que você está fazendo, mas continua”, menciona

“Eu tenho um talento nato em ser feliz em meio ao caos. Eu fui feliz, eu estou feliz e eu vou ser muito, muito, muito feliz. O câncer veio, me deu uma banda, mas quem raspou e finalizou fui eu”, conclui

O plano, agora, é ajudar outras pessoas a encontrar equilíbrio e saúde