“Oi, André! Quero voltar a treinar com você. Tenho andado super cansada, com algumas dores… Também engordei bastante, uns 20 quilos.” Foi o que Roberta me disse ao telefone. Ela havia sido minha aluna durante 2 anos. Nesse período, correu duas meias maratonas, fez inúmeras provas de 10km, se manteve saudável e satisfeita com seu corpo.

No entanto, em virtude de problemas pessoais, Roberta interrompeu nossos treinos. Após sua ligação, há três meses, fizemos uma avaliação e retomamos os treinos.

Ao término do primeiro mês, percebi que Roberta não estava animada e constantemente falava em interromper as aulas. Perguntei o que estava acontecendo. Ela me disse: puxa André, 1 mês treinando bem com você, melhorei minha alimentação e não perdi nem 2 quilos. Fui me pesar e desanimei. Eu falei para ela ter calma e que nem sempre a balança é o melhor indicador (na verdade, muitas vezes a balança mais atrapalha do que ajuda).

Expliquei a Roberta o que pode ser a dúvida de muitos: emagrecer não é perder peso, mas sim gordura corporal. Como Roberta faz musculação 3x na semana comigo, pode ocorrer da balança até subir uma vez que os músculos pesam mais do que a gordura (aquela velha história da massa magra e o quanto é importante ganhá-la ou evitar sua perda).

Falei para Roberta ter paciência e aguardar completarmos 3 meses e refazermos a avaliação. Ela quis parar as aulas, porém eu fiz uma proposta a ela: quando completássemos 3 meses de treinos, se ela não ficasse feliz e satisfeita com os resultados da avalição, eu daria 1 mês de aula grátis para ela. Lógico que ela aceitou na hora.

Chegou o dia da avaliação. Em três meses Roberta eliminou 9 quilos de gordura e ganhou quase 5 quilos de massa magra. Ela ficou chocada e disse: nossa, e na balança só reduziram 3 quilos. Roberta ficou super feliz (até esqueceu que poderia ter um mês de aulas grátis) e me perguntou como isso era possível.

Antes de explicar, eu perguntei sobre suas roupas. Ela me disse que estavam ficando folgadas, mas que estava tão decepcionada com o que a balança indicava que nem atentou a isso. Lembrando que as roupas são importantes aliadas e nos passam muitas informações sobre as mudanças que ocorrem em nosso corpo.

Acontece que os músculos, por uma série de razões fisiológicas, pesam mais do que a gordura e quando a pessoa realiza musculação, a balança pode ser um péssimo indicador.

O ganho de massa muscular é fundamental para quem quer emagrecer (lembrando que emagrecimento é redução de gordura corporal), pois resulta num aumento da taxa metabólica basal (o famoso metabolismo de repouso que indica a quantidade de kcal que o organismo gasta ao longo dia). No caso de Roberta, seu metabolismo passou a gastar aproximadamente 400kcal a mais em virtude do ganho de massa muscular.

Roberta ficou muito feliz e satisfeita e parou de reclamar e ofender a musculação. Eu disse para ela: “Quando você ficar olhando de cara feia para os aparelhos, lembre-se de sua avaliação e do que eles estão fazendo pelo seu corpo e pela sua saúde.”

É importante citar que o excesso de gordura corporal causa inúmeros problemas de saúde como diabetes, hipertensão e doenças cardiovasculares, portanto é essencial ter um programa de exercícios que possa reduzir o percentual de gordura. Para alcançar esse objetivo, a musculação é essencial uma vez que gera ganho de massa muscular que por sua vez contribui para a redução da gordura corporal.

O caso de Roberta é um exemplo do quanto é importante ter paciência e fazer a avaliação correta, além de ser essencial manter a regularidade nos treinos. Emagrecer não é simples, mas está longe de ser impossível. É preciso esforço, dedicação e paciência. E nada de radicalismo, como dietas milagrosas! Mas isso é papo para a próxima coluna…

Comentários