O verão está chegando e se por um lado chega também aquele velho desejo de um corpo mais em forma, por outro certamente a quarentena imposta pelo coronavírus não ajudou em nada esse propósito. Como muitas escolas e estabelecimentos comerciais ainda não voltaram ao atendimento normal, a velha rotina à qual estávamos acostumados também não está de volta. Com isso, para muitos de nós, a retomada da prática de atividades físicas e da manutenção de bons hábitos alimentares está bastante prejudicada. Mas a boa notícia é que, para aqueles que querem mas que ainda estão enfrentando dificuldades para voltar aos bons hábitos de vida saudável, sempre há uma alternativa para recomeçar. Um estudo recente revisando os benefícios dos exercícios da cultura milenar chinesa, como Tai Chi, Ba Duan Jin, Yi Jin Jing, Wu Qin Xi, Shaolin Neigong e Liu Zi Jue, mostrou que, apesar de ser bastante diferente do que é praticado no ocidente, a prática desses exercícios também contribui para o controle da obesidade.

Tai Chi Chuan e outras práticas chinesas são bem aceitos por iniciantes, idosos, obesos, mas também colaboram com pessoas que já praticam atividades físicas convencionais num nível mais avançado — Foto: Istock Getty Images

No artigo em que foram revisados 68 estudos científicos, os autores citam diversos efeitos proporcionados pela prática desses exercícios, que são os mesmos atribuídos aos exercícios convencionais aos quais estamos mais habituados aqui no ocidente, como por exemplo: melhora da flexibilidade e equilíbrio, aumento de massa muscular, bom efeito na regulação dos hormônios responsáveis pela regulação do apetite e da saciedade, melhora da saúde da flora intestinal, maior controle do estresse, entre outros.

Como os exercícios chineses envolvem a combinação de movimentos lentos com a respiração e podem ser realizadas em qualquer lugar, eles acabam sendo mais bem aceitos, especialmente para iniciantes, idosos, obesos e também por aqueles que ainda não se identificam com os exercícios tradicionais do ocidente. É importante ressaltar que mesmo para aqueles que já praticam atividades físicas convencionais num nível mais avançado, as práticas chinesas não devem ser descartadas, pois são uma excelente alternativa para cross-training.

Ao final do artigo os autores concluem que os exercícios tradicionais chineses não apenas promovem a redução do percentual de gordura e peso corporal com melhora da postura, mas também contribuem para uma melhora saúde mental, sendo portanto uma maneira simples e eficaz para promover o emagrecimento com baixo custo e num ambiente bastante amigável.

* As informações e opiniões emitidas neste texto são de inteira responsabilidade do autor, não correspondendo, necessariamente, ao ponto de vista do ge / EuAtleta.com.

Comentários