Johnny Massaro aparece 11 kg mais magro e abre o jogo sobre AIDS: “Sentença de morte”

Um dos atores mais famosos da nova geração no Brasil, Johnny Massaro apareceu 11 kg mais magro em relação ao peso anterior. Mas calma, que não tem nada de errado com ele, já que tudo não passou de um processo pelo qual ele passou para interpretar um personagem que sofre de AIDS no filme Os Primeiros Soldados.

Trata-se de um biólogo chamado Suzano que descobre o vírus HIV enquanto seu parceiro está na França. Em entrevista à jornalista Patricia Kogut, ele falou sobre o contexto em que o personagem estava inserido. “Naquela época, ser ‘positivo’ era uma sentença de morte, mas ele se mostra um cara muito apaixonado pela vida”, disse ele.

Johnny Massaro falou sobre a experiência de emagrecer tanto para o papel. “Desde o primeiro encontro com o diretor, há dois anos, tive a sensação de que seria essencial emagrecer muito. No começo, cortei glúten, açúcar, lactose… Depois fiz jejum de 14 horas por vários dias. Fiquei um mês ingerindo só o que eu mesmo cozinhava”, contou.

“Fui orientado por uma nutricionista a começar o dia com um suco. Como o filme foi todo rodado no Espírito Santo, bati uns, coloquei em saquinhos e levei num isopor para lá. Minha cozinha inteira estava dentro do carro. Precisava cuidar pessoalmente das refeições para ter um controle de tudo”, prosseguiu o ator.

“Esse filme foi também um convite para entender a liberdade do cinema e o momento que a gente através de diversas esferas, como a questão de gênero, pois somos um elenco com uma temática 100% LGBT. Pensar sobre isso num momento em que o líder da nação censura vídeos de temáticas raciais”, disse Johnny Massaro, falando sobre representatividade.

Leia também  Por que precisamos incluir gordura em nossas dietas

“É uma loucura querer silenciar, diminuir e retroceder em assuntos nos quais já tínhamos avançado. Com a série e com o filme, me peguei pensando: ‘É tão óbvio que temos que melhorar educação, saúde… Mas nada disso vai ser realizado se não respeitarmos as existências humanas. Não dá para ter educação de qualidade se as pessoas continuarem a ser discriminadas’”, finalizou o ator.