Em todo o mundo, a obesidade também está aumentando: quase triplicou desde 1975, de acordo com a OMS
Foto: Instagram/ Reprodução

 

Pessoas obesas tiveram uma redução de quase 15% no peso após usarem por 16 meses o medicamento semaglutida, usado no tratamento de diabetes. O resultado faz parte de um experimento realizado por pesquisadores da Universidade Northwestern, em Chicago, e publicado nesta semana no periódico científico New England Journal of Medicine. 

Fabricada pela Novo Nordisk, a semaglutida aumenta a produção de insulina e atualmente é utilizada para tratar o diabetes tipo 2. No estudo, a droga foi testada em 1.961 voluntários obesos e com sobrepeso. Desse total, 1.306 receberam uma dose subcutânea de 2,4 mg do medicamento por semana. Outros 655 participantes foram testados com placebo. Todos tiveram acompanhamento físico e nutricional durante o experimento. 

Leia mais

 

Após 68 semanas, os pesquisadores observaram que a alteração média no peso corporal foi de 14,9% no grupo da semaglutida em comparação com 2,4% com o grupo que recebeu placebo. Em números absoutos, os integrantes que utilizaram o medicamento perderam 15,3 kg e os demais 2,6 kg. 

“A perda de peso com semaglutida decorre de uma redução na ingestão de energia devido à diminuição do apetite, que acredita ser o resultado de efeitos diretos e indiretos no cérebro”, escreveu o médico Robert Kushner no relatório.

Aqueles que usaram a droga também apresentaram uma melhora maior em relação aos fatores de risco cardiometabólico e um maior aumento no funcionamento físico. Os efeitos colaterais relatados foram a náusea, diarréia, vômito ou prisão de ventre. Na maioria das vezes, esses sintomas eram transitórios. 

Destaques do CNN Brasil Business

 

Leia também  Câmara aprova PL que cria incentivo para ampliar leitos de covid no SUS

A intenção da fabricante é que a Food and Drug Administration (FDA) aprove a semaglutida para controle crônico de peso. Caso isso ocorra, será apenas o quinto medicamento prescrito para emagrecer no mercado americano.

Os próprios pesquisadores ressaltam, porém, que o estudo tem limitações e precisa ser ampliado. Eles destacaram a preponderância de mulheres e participantes brancos, a duração relativamente curta do ensaio e a exclusão de pessoas com diabetes tipo 2 como pontos fracos do experimento. 

 

close

🤞 Não perca nada!

Assine nossa newsletter e receba novidades e ofertas exclusivas!

Comentários

Você não precisa sofrer pra fazer dieta.

Conheça o Desafio 19 dias!