O longa musical “La La Land – Cantando Estações” pode até ter perdido o prêmio de melhor filme no Oscar de 2017, numa confusão envolvendo “Moonlight – Sob a Luz do Luar”, mas voltou para casa com dois troféus importantes, de melhor trilha sonora e melhor canção, para “City of Stars”. E não parou por aí, na cerimônia deste ano do Grammy, levou mais dois prêmios, incluindo melhor trilha sonora para mídia visual.

Com o sucesso das músicas, o filme virou um show, que depois de passar por vários países, em mais de um ano e meio de turnê, finalmente vai chegar ao Brasil em dezembro. São três apresentações, duas em São Paulo, nos dias 16 e 17, no Espaço das Américas, e uma em Porto Alegre, no Auditório Araújo Vianna, no dia 21.

O show tem uma projeção completa do filme, com um intervalo de 15 minutos, sincronizada com uma orquestra que se apresenta ao vivo. As vozes são gravações dos atores principais, como Emma Stone, vencedora do Oscar pelo longa, Ryan Gosling e John Legend. A grande banda foi montada pelo responsável pela trilha sonora do filme, Justin Hurwitz. “É legal porque você pode assistir apenas ao filme ou somente ver orquestra”, diz Hurwitz em entrevista por telefone ao jornal O Estado de S. Paulo.

“É a primeira vez que muitas das pessoas vão ver essas músicas tocadas ao vivo, então tenho certeza que elas vão prestar atenção nos músicos para ver como foram feitas.” Justin não vem ao Brasil. Por aqui, o concerto será conduzido por Erik Ochsner, com apoio de músicos locais. “Os produtores entram em contato nos países e encontram ótimos músicos”, afirma Justin.

“O maior desafio é que eles precisam ser bons com jazz.” Outro grande desafio é para o condutor, que precisa se manter em sincronia com o filme. Para ajudá-lo, um vídeo especial dá as dicas de tempo e marcações. “Mas é algo que pode ser divertido para o público também, prestar atenção para ver se a sincronia está perfeita.”

As composições musicais de Justin Hurwitz já são antigas, de 2011. O filme demorou a sair do papel porque o diretor, também vencedor do Oscar, Damien Chazelle, não conseguiu apoio dos estúdios de Hollywood. “Foram muitos anos de trabalho. Tentamos fazer o filme naquela época, mas não conseguimos.”

Enquanto La La Land descansava, Hurwitz e Chazelle retomaram a parceria para Whiplash: Em Busca da Perfeição, de 2014, filme também com grande conexão musical. Para a próxima parceria entre os dois, porém, uma novidade. O Primeiro Homem, que estreia em 11 de outubro no Brasil, é uma cinebiografia do astronauta Neil Armstrong, com Ryan Gosling no papel principal e destaque para a histórica expedição à lua.

“É definitivamente diferente de tudo que já fizemos e de todas as trilhas que já compus”, diz o músico. Sobre o trabalho com Chazelle, Hurwitz não poupa elogios. “Ele não só é um grande cineasta como também é músico. É ótimo para mim trabalhar com um cineasta com uma mente tão musical.”