Na sexta 21 de junho, o Two Door Cinema Club lançou seu quarto álbum, o “False Alarm”. As expectativas estavam altas, uma vez que a experimentação no “Gameshow” (2016) tinha sido intensa — e, bem, não agradou a todos.

Em “False Alarm”, a banda continua experimentando musicalmente, mas com os pés no chão. Se pudesse descrever o álbum rapidamente, diria que é o meio termo entre o “Gameshow” e os outros dois, “Tourist History” e “Beacon”. Um pé ainda em batidas eletrônicas, e outro no indie que a banda costumava fazer em 2012 e 2013.

Várias das músicas chegam a lembrar até mesmo algumas bandas atuais de indie. Pode-se perceber bastante influência dos anos 80, até mesmo nos clipes. Um exemplo é o vídeo de “Satellite”, que lembra muito um episódio meio sci fi daqueles anos.

Já na primeira faixa, os sons de teclado e bateria são marcados, algo que remete brevemente ao indie psicodélico do MGMT. O álbum chega mostrando a banda menos eletrônica.

Na minha opinião, uma das músicas mais interessantes do álbum. O Two Door Cinema Club nunca havia feito algo parecido com isso musicalmente, de fato inovador. A maior parte da canção possui vozes robotizadas, algo meio futurístico. Funcionou muito bem.

Ao mesmo tempo que parece ser algo diferente do que estão acostumados, o refrão é algo bem a cara da banda. Seria quase que impossível escutar a canção e não reconhecer que a faixa é deles. Para mim, a que mais marca sua identidade no álbum.

Mas a música como um todo não se parece com eles. Possui versos pausados, melódicos e é organizada sonoramente, algo que dificilmente encontraríamos no som mais cru da Cage. Também é curtinha, com 2:08 de duração e com uma letra simples.

Sua sonoridade no refrão lembra muito os primeiros álbuns da banda, mas o pré-refrão me lembrou algumas músicas da Black Keys, com uma guitarra mais forte. Uma combinação boa e talvez uma das melhores canções do False Alarm.

Um dos primeiros singles da banda dessa era, possui sonoridade totalmente oitentista. Muito sintetizador, sons que lembram barulhos de jogos de vídeo game e máquinas de pinball. Me lembrou algo meio New Order meets Petshop Boys.

Nesse álbum, o Two Door Cinema Club acerta em cheio. Com várias novidades, consegue equilibrar o experimental com as características musicais que os fizeram famosos. Ainda não é seu melhor álbum, mas conseguiu agradar e chegar num ponto melhor do que com o Gameshow.