Pense em uma jogadora brasileira de futebol. Pensou Marta, correto? Não é por falta de conhecimento da versão feminina da modalidade, e sim porque a alagoana realmente marcou uma geração no Brasil e no mundo. A meia-atacante do Orlando Pride (EUA) já foi eleita seis vezes a melhor jogadora do mundo, a última delas nesta segunda-feira (24), em sua 14ª indicação. Suas concorrentes foram a atacante norueguesa Ada Hegerberg e a meia alemã Dzsenifer Marozsán, que eram consideradas favoritas após a boa temporada pelo Lyon, campeão da Liga dos Campeões da Europa.