Atlético-PR e Junior Barranquilla ficaram no empate por 1 a 1 na noite desta quarta-feira (5), no estádio Metropolitano, pelo primeiro jogo da final da Sul-Americana. O Furacão segurou a pressão da torcida colombiana e agora vai decidir o título na Arena da Baixada, no próximo dia 12. Veja os bastidores e curiosidades que a televisão não mostrou do jogão na Colômbia:

Por conta do tamanho do placar eletrônico do estádio Metropolitano, antes de a bola rolar o nome do Atlético estava como ‘Parana’, já que na Colômbia, o Furacão é chamado apenas de Paranaense. Depois de uma meia hora, o nome foi alterado para CAP.

O Junior tem duas torcidas organizadas grandes, que são inimigas e por isso cada uma ocupa uma extremidade do estádio Metropolitano. A Frente Roja e Blanco ocupa o setor sul do estádio, enquanto a Los Cuervos fica instalada no setor norte. A rivalidade ocorre porque a Los Cuervos é uma dissidência da Frente Roja e Blanco e as duas ‘barras’ cantam músicas diferentes causando uma desconexão durante o jogo.

Os torcedores do Junior têm faixas em homenagem aos torcedores barranquilleros que já morreram acompanhando o time. Há quinze anos ocorreu um acidente com uma ‘avalanche’ em uma comemoração de um gol no estádio Metropolitano que vitimou duas pessoas.

A torcida tradicional do Junior é um show a parte. Os barranquilleros costumam chegar cedo no estádio para jogar baralho e conversar. Eles também contam com torcedores que são celebridades. El Colon é o mais famoso. O barranquillero é uma espécie de torcedor símbolo da Colômbia por acompanhar a seleção nacional pelo mundo. Ele estará presente na final do dia 12 na Arena da Baixada.

Em todas as partidas do Junior, a torcida estende a faixa com a frase “Gracias Micaela por este amor tan insoportable”, algo como “Obrigado Micaela por esse amor tão incontrolável. É uma homenagem a Micaela Lavalle, que fundou o clube em 1924. A mulher criou o ‘Juventud Barranquilla’, como um presente aos seus filhos que amavam futebol. O Juventud cresceu e se transformou no Junior, maior equipe da região.

Os colombianos têm muito apreço por sua origens e tradições e fazem questão de valorizar sua cultura. Por isso, as comidas do estádio são típicas da região. Ao invés de cachorro-quente e pizzas, são vendidos ‘perros calientes’‘butifarras’ e ‘arepas’ e demais iguarias. Os preços também são acessíveis e variam de R$ 3 a R$ 10.

Mil policiais estiveram envolvidos na operação de segurança do jogo. Cães farejadores fizeram uma vistoria nas arquibancadas horas antes de a bola rolar. Na Colômbia, a policia é quem cuida de toda a segurança, diferentemente do Brasil, em que a segurança dentro dos estádios é privada. Porém, no próximo ano, os colombianos vão aprovar uma lei para que a proteção seja realizada no mesmo molde que a brasileira.

FIM DE PRIMEIRO TEMPO! O @atleticoparanaense vai empatando sem gol com o @juniorclubsa A bola volta a rolar em instantes. Confira como foi a primeira etapa nos registros de @albarirosa para @gpesportiva #atletico #atleticopr #copasulamericana #juniorbarranquilla

O @atleticoparanaense vai empatando com o @juniorclubsa por 1 a 1. A partida de volta é na próxima quarta-feira (12) às 21h45 na Arena da Baixada. Não existe o critério de gol fora de casa. Fotos de @albarirosa para @gpesportiva #atletico #atleticopr #copasulamericana #juniorbarranquilla